Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2017

Ansiedade: por que não é possível acabar com ela tentando não ser ansioso(a)?

Este texto será breve, para não desestimular os ansiosos de lerem! Afinal, posso fazer uma introdução extensa e rica sobre o tema, no entanto, o mais importante aqui é focar no que interessa, que é saber porque uma pessoa ansiosa não consegue parar de ser ansiosa tentando não ser ansiosa. Caso você se considere uma pessoa ansiosa, talvez já deve ter tentado várias coisas como: - Tentar não ficar pensando no futuro; - Pensar em outra coisa para contornar a ansiedade; - Tentar esquecer da coisa que está por vir; - Ingerir álcool para diminuir a ansiedade; - Ocupar-se de alguma forma para evitar os sintomas ansiosos. - Dentre outras coisas para não passar pelo desconforto das expectativas. Acredito que nenhum desses tenha dado muito certo, não é mesmo? Talvez algum pode funcionar pontualmente, mas a sensação ansiosa sempre acaba voltando. E você precisa ficar repetindo o que fez anteriormente para se livrar da ansiedade. A ansiedade é um desconforto tremendo! Pessoas ansiosas sabem que a experiênc…

Campanha Divulgação da Psicologia

Nesta semana, o site Academia do Psicólogo iniciou uma campanha de divulgação da psicologia. Esta campanha pretende desfazer os estigmas e os preconceitos existentes com relação à psicologia, e mostrar que o(a) psicólogo(a) é muito mais do que o senso comum imagina, um(a) profissional que pode contribuir para tornar a vida das pessoas mais saudável.
Como este é também o objetivo do blog Janela Interna, decidimos nos unir à campanha, e convidar você a compreender melhor o sentido amplo que a psicologia, como profissão, carrega.
A psicologia ainda hoje é, infelizmente, associada à noção de doença, de desajuste, desequilíbrio mental, incapacidade de lidar com seus próprios problemas e, ainda, à questão da loucura.
Leia: Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Esse imaginário contribui, automaticamente, para que seja colocado um estigma – neste caso, negativo – nas pessoas que procuram por um atendimento psicológico. Isso explica também porque muitas vezes as pessoas têm vergonha de compa…

13 Reasons Why: seria esse personagem o responsável pelo suicídio de Hannah?

Já faz um tempo que quero escrever sobre a série da Netflix, 13 Reasons Why, mas não conseguia dedicar o devido tempo para elaborar sobre o tema que é muito relevante e delicado. Relevante pois teve um impacto na sociedade, o que é um indício de ter mexido bastante com muita gente, e delicado pelo fato de que o tema central da série é o suicídio. Não vou entrar na discussão se foi adequado ou não mostrar o que a série mostrou. Vi muitas discussões focando nisso: se foi uma série adequada. E não focou no que realmente deveria focar, a meu ver: na construção da decisão de Hannah. Obviamente é muito importante que conversemos sobre a forma que o suicídio de Hannah foi exposto, para nas próximas vezes que o suicídio for exposto em vias populares, seja feito de forma mais responsável. No entanto, esta discussão sobre a construção da decisão de Hanna é igualmente importante. Pois ao discutir somente sobre isso, estaremos refletindo e analisando potenciais conjunturas suicidas do mundo real. O…

4 TED Talks sobre Psicologia

Existem muitos mitos acerca da ampla ciência que é a psicologia. Com o passar do tempo, novas pesquisas vão surgindo, permitindo-nos vislumbrar possibilidades que, até então, era ignoradas pelo meio científico. E percebemos que a forma como educamos as crianças está diretamente relacionada à mentalidade dos adultos, e vice-versa, o que significa que, mudando nossa mentalidade, estaremos mudando também as futuras gerações. Para ajudar você neste processo, listamos abaixo 4 TED Talks sobre psicologia e comportamento humano, que podem trazer reflexões poderosas:
1) O poder da vulnerabilidade (Brené Brown) Brené Brown estuda conexões humanas – nossas habilidades de empatia, pertencimento, amor. Neste talk divertido e áspero, ela compartilha um insight profundo da sua pesquisa, que a levou tanto a uma jornada pessoal de autoconhecimento, quanto de entendimento da humanidade. Uma conversa para compartilhar. (tradução livre)
2) O poder de acreditar que você pode melhorar (Carol Dweck) Carol Dwec…

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Uma homenagem à criança que um dia eu fui

Um dia, me deparei com essa imagem em alguma rede social. Não sei se esta é uma reflexão que muitas pessoas fazem, mas sei que eu sempre fiz. Normalmente, não é uma reflexão que leva a boas conclusões – porque, acredite, sua versão criança sempre tende a ser melhor do que a sua versão adulta -, mas é importante voltar a ela de tempos em tempos, para checar como anda o seu contato com a sua parte mais pura, autêntica e criativa: sua criança interior.
Apesar de todas as mudanças no decorrer das nossas vidas, de tudo o que está contido no verbo “crescer”, de todas as responsabilidades que temos que assumir, e que acabam ocupando a maior parte do nosso tempo, é importante sempre ter presente e trazer pra perto aquela fase da vida em que passávamos a maior parte do tempo brincando: a infância. Pense um pouco e responda: como você era quando criança? O que gostava de fazer? O que você queria ser quando crescesse? Tente relembrar as sua características mais marcantes, os momentos mais especia…

A blindagem social que as redes sociais nos fornecem

Textões, caixas coloridas de mensagem, debates nos comentários do G1, (muita) agressividade e hostilidade, fotos espetaculares, são alguns fenômenos que acontecem nas redes sociais. E estes têm relação com o tema sobre blindagem que iremos discutir. Acredito que é de senso comum que se expor nas redes sociais é diferente de se expor na vida real. Isso não é generalizar que para todas as pessoas é assim, é apenas apontar o fato, e percebemos que ele não causa estranheza para a maioria das pessoas. Há muita gente que se sentem muito mais à vontade em expor opiniões nas redes sociais (seja em comentários de portais de notícias ou na própria linha do tempo), do que fazer esta exposição na vida real – até mesmo para as pessoas mais próximas e íntimas. Ora, até para mim é assim, ao agir irrefletidamente me pego no ímpeto de escrever um textão sem muita utilidade ou comentar algo para pessoas que não estão abertas a dialogar. É um fenômeno interessante, do ponto de vista psicológico, e por iss…

O incômodo lugar do não-saber

Todos os dias de nossas vidas temos que tomar alguma decisão. Nem que seja o que comer no café da manhã. Decisões fazem parte da vida das mulheres e homens modernos. Nossas escolhas diárias são o exercício pleno da nossa liberdade que, como já dizia Jean-Paul Sartre, é também nossa condenação. Às vezes, as decisões que temos que tomar são simples e fáceis de escolher; outras vezes, são mais complexas e todas as opções que nos são apresentadas parecem conflitantes. Independente de qual seja o caso, há uma questão que, na contemporaneidade, tem sempre perpassado o processo de decisão: a pressa.
Em uma sociedade em que o progresso tem sido incessantemente buscado, dentre outros, por meio de uma evolução contínua da tecnologia, somos treinados, desde nosso nascimento, a realizar tudo com celeridade, rapidez. Ninguém mais tem tempo e/ou paciência de esperar as coisas acontecerem, uma vez que, se você precisa de alguma informação, pode imediatamente fazer uma busca no Google pelo seu celular…

9 vídeos para assistir com as crianças

Neste texto selecionamos uns dos melhores vídeos para assistir com as crianças! Filhos, sobrinhos, na escola, etc. Em qualquer lugar!
Os vídeos foram escolhidos baseando-nos em um principal critério. Queríamos escolher vídeos que provocassem ricas reflexões! E que ajudassem as crianças a refletir sobre seus atos e comportamentos, de modo a ajudá-las a serem melhores para si mesmas e para os outros.
Obviamente, para isso é importante que o adulto assista o vídeo com a criança, e converse com ela logo em seguida, assim a reflexão e elaboração serão mais construtivas. É importante também que o adulto tenha em mente que são vídeos com caráter educacional, mas a abordagem com a criança não deve ser impositiva - ou seja, dizer para a criança o que o vídeo significa e o que ela deve fazer depois de ter assistido ao vídeo. Não!
Leia também:7 atitudes que não devemos ter com as crianças
As crianças devem ter abertura para falarem o que quiserem! Pois algo chamará a atenção dela no vídeo, e é onde …