Pular para o conteúdo principal

Como ser uma pessoa melhor


Se você se interessou por este tema e está lendo este conteúdo, considere que já deu o primeiro passo para se tornar uma pessoa melhor. Ora, qualquer pessoa para mudar, deve primeiramente querer mudar. De onde estou tirando esta ideia? Da psicologia, especificamente da Gestalt-terapia (GT). Para saber mais sobre GT leia este artigo. Agora, chegamos ao que vai te interessar aqui: “tenho confirmado em mim o desejo de mudar, mas como?”.

O que quer dizer ser uma pessoa melhor PARA VOCÊ?

Este é um dos pontos mais importantes: o que você considera ser uma pessoa melhor? Para cada um vai variar. E, além disso, é importante refletir sobre o que te mobiliza a querer mudar, pense sobre o que te motivou a querer esta mudança primeiramente. Quando foi que você percebeu que quer ser uma pessoa melhor? Estas reflexões dão relevantes dicas sobre o que é “ser melhor para você”. Antes de agir, reflita muito bem sobre isso. E lembre-se que não cabe a ninguém decidir isso por você. Por exemplo, o trabalho dos psicólogos é ajudar seus clientes a chegar a isto por conta própria. A verdadeira mudança ocorre quando você assume a responsabilidade por “o que é ser melhor”, não quando outros contam isso para você.


Imagine o seguinte: você mudou seguindo conselhos de terceiros. É uma sensação boa por ter conseguido mudar. Agora imagine o seguinte: você mudou por conta própria, sente-se bem por ter chegado até aqui e não deve isso a ninguém, somente a si mesmo! Você é protagonista de tudo! Percebeu a diferença?

Dito isso chegamos a outro ponto importante.

Sua definição “ser uma pessoa melhor é...” sofre interferências externas

Existe um raro consenso entre as várias teorias da psicologia: o ser existe em sua relação com mundo. Portanto, a interação com as diversas pessoas, ambientes, culturas, constitui o ser humano naquilo que ele é, e está constantemente sendo transformado. Sendo assim, não haverá nenhum conceito puramente seu de “o que é ser uma pessoa melhor”, por estar imerso em uma determinada sociedade. Entretanto, reflita sobre como você chegou a sua conclusão sobre isso. Faça perguntas como: “o que o meu conceito de ser melhor tem em comum com a cultura?” “O meu conceito está presente em um projeto de vida pessoal?” Qual o significado para você de querer se tornar esta pessoa melhor? São perguntas difíceis que requerem muita atenção e reflexão. Um profissional psicólogo pode ajudar muito neste momento.


Sim. Existe algo em comum entre as pessoas que se tornam melhores

Ressalto, discuto o tema baseado na GT. A GT considera que quando as pessoas estão estagnadas ou fixadas, seguem por um caminho de vida superficial, ou seja, não se dão tempo para refletir sobre qual o sentido dos comportamentos e atitudes que manifestam na vida. As pessoas muitas vezes desejam mudar, por sentir algo comumente entendido como angústia. A angústia vem para nos mostrar que não estamos percebendo sentido naquilo que estamos vivendo. A GT considera que o contraponto da fixação/estagnação é a criação/criatividade. No sentido que a partir do que você é hoje, percebendo-se como ser humano complexo, constituído de emocional-racional-fisiológico e consciente de seus desejos, você mobiliza suas energias para ressignificar suas experiências de vida, transformando sua forma de existir e comportar-se. Isto é criatividade! Dar-se conta do que é, do que sente, e a partir desta reflexão se portar intencionando a mudança.

Não acaba aqui

Tornar-se uma pessoa melhor é um processo longo, que exige esforço do autor da mudança. Assumir responsabilidade pela mudança, pelas formas como você não mais quer ser e pelas coisas que você fizer enquanto muda é fundamental. E nossa sociedade parece fazer de tudo para manter as pessoas conformadas e comuns. Sempre existe uma norma, e os desviantes dificilmente são celebrados. Portanto, considere ter um profissional acompanhando sua mudança, pois a jornada não será fácil.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…