Pular para o conteúdo principal

Campanha Divulgação da Psicologia


Nesta semana, o site Academia do Psicólogo iniciou uma campanha de divulgação da psicologia. Esta campanha pretende desfazer os estigmas e os preconceitos existentes com relação à psicologia, e mostrar que o(a) psicólogo(a) é muito mais do que o senso comum imagina, um(a) profissional que pode contribuir para tornar a vida das pessoas mais saudável.

Como este é também o objetivo do blog Janela Interna, decidimos nos unir à campanha, e convidar você a compreender melhor o sentido amplo que a psicologia, como profissão, carrega.

A psicologia ainda hoje é, infelizmente, associada à noção de doença, de desajuste, desequilíbrio mental, incapacidade de lidar com seus próprios problemas e, ainda, à questão da loucura.



Esse imaginário contribui, automaticamente, para que seja colocado um estigma neste caso, negativo nas pessoas que procuram por um atendimento psicológico. Isso explica também porque muitas vezes as pessoas têm vergonha de compartilhar publicamente que fazem psicoterapia: têm medo de ser julgadas e/ou vistas como desequilibradas. Todos os estigmas citados acima estão relacionados à ideia de fraqueza. E como a crença socialmente compartilhada é a de que pessoas fortes são aquelas que não precisam de ajuda, e que na verdade também não gostam muito de mexer com essa coisa chamada sentimentos (pois isso é coisa da gente sensível e emotiva), a mensagem que as pessoas acabam absorvendo é a de que você tem que dar conta de tudo sozinho(a), principalmente da sua saúde mental!

O único problema dessa falácia é que leva as pessoas a uma negligência legitimada em relação à sua saúde mental. Você pode ler mais sobre isso neste texto sobre a Campanha Janeiro Branco: Pare de negligenciar sua saúde mental.


Dessa forma, o nosso papel como psicólogos(as) é promover a psicologia associando-a com a positividade, com as melhorias e transformações que podem ser geradas nas vidas das pessoas por meio do autoconhecimento.



Sabemos que cada vez mais as pessoas estão se atentando para a necessidade de cuidar da saúde mental. Isso é ótimo, porém é um movimento que caminha ainda a passos lentos. Todos os textos aqui linkados são muito importantes para entender melhor a profissão de psicólogo(a), por isso convido vocês a tirarem um tempinho para lê-los! E, se depois ainda restarem dúvidas, os psicólogos do Janela Interna estão à disposição para ajudar a esclarecê-las. Entre em contato!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…