Pular para o conteúdo principal

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.

Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discurso usualmente feito pelos pais de querer “dar tudo” a seus filhos. Apesar de a intenção ser boa, de que não falte nada a seus filhos para que possam desenvolver plenamente suas possibilidades, esta é uma máxima que deve ser pensada com cautela.¹ Oferecer sempre tudo aquilo que os filhos desejam não permite que eles se frustrem e, por consequência, além de crescerem acreditando que sempre vão conseguir tudo o que querem sem esforço, também não irão desenvolver nenhuma auto-confiança, pois não aprenderam a fazer as coisas sozinhos, e provavelmente não acreditam que conseguem. Assim, essa criança se tornará um adulto sem auto-suporte, necessitando buscar o apoio de que necessita externamente, nas outras pessoas. Um exemplo disso poderia ser as pessoas que possuem extrema dificuldade em estar sós. É muito comum que essas pessoas busquem sempre maneiras de se manter na companhia de outras, evitando estar sozinhas, em vez de procurar compreender a dificuldade delas em lidar com a solidão.

Como tudo em psicoterapia tem a ver com equilíbrio, o auto-suporte promove a integração, que é atingida por meio do equilíbrio entre suporte e frustração.² É necessário frustrar-se para que nos vejamos obrigados a lidar com nossa própria frustração, e assim possamos desenvolver formas criativas de seguir em frente, e paralelamente compreendendo que, com frequência, iremos nos decepcionar e não conseguir tudo o que queremos e da forma como queremos. Ao mesmo tempo, também vamos ter necessidade de, em alguns momentos, buscar suporte externamente. O que é normal, não tem nada a ver com fraqueza e, por isso, auto-suporte NUNCA deve ser confundido com não precisar de ninguém. A criança que não recebeu suporte suficiente dos pais dificilmente vai desenvolver auto-suporte naturalmente, uma vez que, provavelmente, passou por inúmeras frustrações uma atrás da outra, e isso pode levá-la ao medo de tentar e ao fechamento para o mundo. Pode tornar-se um adulto embotado emocionalmente e incapaz de estabelecer relações saudáveis.

Por isso, auto-suporte está intimamente ligado a auto-responsabilização. Na nossa sociedade contemporânea, tendemos a terceirizar os nossos atos. “Eu não consegui aquela vaga porque o entrevistador não foi com a minha cara, e quis me prejudicar” ou “está tudo dando errado na minha vida porque alguém me lançou um mau-olhado”, são ótimos exemplos de como não tomar as rédeas da própria vida e sempre atribuir o poder ao outro. Já ouvi várias vezes o seguinte discurso: “eu só traí minha mulher porque ela era muito ciumenta, não me deixava fazer nada”. Este é um exemplo de como é muito mais fácil e cômodo atribuir o motivo de seus atos ao outro do que responsabilizar-se por eles. Não moço, você traiu porque você QUIS. Ninguém te obrigou. Sua mulher pode ser o que for, mas você teve uma escolha. Se eu estou em um relacionamento não-saudável e acredito ser emocionalmente dependente do meu parceiro, sempre que algum ato dele frustrar minhas expectativas, eu tendo a acusá-lo de não me dar atenção suficiente, não me amar, não fazer nada para me agradar, etc., e me sinto triste com isso. No entanto, é preciso questionar onde está a minha própria responsabilidade nesta história. Pode ser, por exemplo, no fato de manter este relacionamento ruim, não assumindo o risco de sair dele, ou permitindo que meu parceiro me machuque dessa forma. Ninguém aqui está dizendo que é fácil mudar, que é fácil desconstruir toda a sua vida de uma hora para outra. Nós somos resultados da nossa própria história, e lidamos com as situações da forma como damos conta naquele momento. A capacidade de constituir novas significações se dá a partir da habilidade de resposta (response + ability = responsibility, do inglês). Por isso, fazer essa reflexão e dar-se conta dos aspectos que nem sempre estão elucidados pode ser um primeiro passo importantíssimo.

Lembrando que, como psicoterapeutas, acreditamos na transformação. Só porque o auto-suporte não foi desenvolvido naturalmente, não quer dizer que ele não possa ser alcançado. Aliás, este é um dos objetivos da psicoterapia: promover maturidade, auto-suporte, por meio do auto-conhecimento e da responsabilização.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
¹ D’ACRI, Gladys; LIMA, Patrícia; ORGLER, Sheila. Dicionário de Gestalt-terapia. São Paulo, Summus, 2012.

² YONTEF, Gary. Processo, Diálogo e Awareness: ensaios em Gestalt-terapia. São Paulo: Summus, 1998.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…