Pular para o conteúdo principal

Falar sobre passado, presente ou futuro na psicoterapia?

Para todas as pessoas que me procuram para atendimento psicoterapêutico, converso logo na primeira sessão sobre o que se trata a psicoterapia e o que ofereço com o meu trabalho. Nessa primeira conversa ressalto que o cliente escolhe sobre o que quer falar, que pode tratar sobre qualquer assunto ou tema que assim desejar. Eu estou lá para receber a escolha do cliente e deste ponto partir. É assim para cada nova sessão psicoterapêutica. Portanto, a escolha de falar sobre passado, presente ou futuro cabe ao cliente, mas qualquer uma dessas três escolhas culminará para o aqui-e-agora.

A importância do aqui-e-agora

Como psicólogo em qualquer prática que assumo, seja na psicoterapia ou não, me oriento pelo aqui-e-agora. O aqui-e-agora é um conceito utilizado na abordagem Gestalt-terapia (PERLS, 1977), o qual considera o que acontece no momento presente vivido! Mas nem por isso desconsidera o passado e as possibilidades futuras. O passado já se foi, portanto não existe mais, no entanto, ele culmina para a forma de ser no presente. Não se altera o passado, mas se altera a configuração dele no presente, pois tudo que já passou se expressa pela memória, e esta memória ocorre no presente, e provoca repercussões, emocionais, racionais e fisiológicas no momento presente. É o que denomina-se presentificação da experiência.

E o futuro? O futuro enquanto projetado por nós, interfere em nossa forma de viver também no agora. É extremamente frequente relatos de clientes que privilegiam uma experiência que ainda não aconteceu, e se esquecem do que tem para viver no presente. Por exemplo, quando se vai para um evento social, uma festa ou uma reunião, e cria-se a ideia e os papéis os quais deve-se desempenhar ao conhecer pessoas novas, como se existisse uma instrução muito rígida e imutável de como conhecer pessoas novas, e não há abertura para o que ocorre no aqui-e-agora da relação.

A tomada de consciência do aqui-e-agora

Quando a pessoa considera a importância do aqui-e-agora e toma consciência dele, novas possibilidades de se comportar são reveladas. Com meus clientes uso desse recurso com frequência, de modo a provocar esta consciência durante nosso diálogo, e isto pode ser feito de diversas formas. Ressalto o aqui-e-agora da psicoterapia, pois considero o postulado que a relação psicoterapêutica é um microcosmo social, assim como descreve o psicoterapeuta Irving Yalom (2006). O microcosmo admite que as relações interpessoais da pessoa se manifestarão na própria relação interpessoal com o terapeuta. Portanto, se a pessoa se torna cônscia do aqui-e-agora com o psicólogo, ela é possibilitada de transmitir isso para suas relações interpessoais fora da psicoterapia. Dessa forma, ela assume controle e responsabilidade de sua forma de viver, ampliando possibilidades de existência. Este processo é extremamente importante, pois, grande parcela das queixas dos clientes ressoa em problemas ou dificuldades nas relações interpessoais.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

PERLS, F. Quatro Palestras. In: FAGAN, J; SHEPHERD, I. L. (Org.). Gestalt-terapia: Teoria, Técnicas e Aplicações. Zahar Editores, Rio de Janeiro, 1977, pp. 27-60.

YALOM, I. D. Os Desafios da Terapia: Reflexões Para Pacientes e Terapeutas. Ediouro Publicações S.A, 2006.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…