Pular para o conteúdo principal

Como seriam os psicólogos no mundo de Harry Potter?

psicólogos mundo harry potter


Nós, psicólogos do Janela Interna, somos fãs da série e do mundo Harry Potter, a prova disto está no tema deste artigo. 😊
Resolvemos nos aventurar um pouco na fantasia e analisar como seriam os psicólogos no mundo bruxo.
Vamos contar a você o que imaginamos neste artigo.

A profissão teria o mesmo nome no mundo bruxo?

Sabemos que algumas profissões só existem no mundo bruxo, como é o caso dos aurores, dos obliviadores e dos fabricantes de varinhas.
Mas outras são comuns aos mundos trouxa e bruxo. Posso citar como exemplo a profissão de professor, de enfermeira(o) (Madame Promfrey, para representar) e de jornalista.
Por outro lado, há uma profissão que tem o mesmo objetivo tanto no mundo trouxa quanto no bruxo, porém os conhecimentos para cada uma e os nomes são diferentes. É a profissão de Curandeiro, que equivale à profissão de Médico.
É provável que a profissão de psicólogo leve um nome distinto no mundo bruxo, pois é um caso semelhante ao dos Médicos e Curandeiros. Provavelmente, os psicólogos bruxos usariam magia em seus trabalhos (explicitarei algumas hipóteses ao decorrer do texto), mas ainda teriam o mesmo objetivo de trabalho, que é cuidar da saúde mental dos bruxos.
Acredito ser conveniente, portanto, criar um nome para a referida profissão neste texto, tendo em vista que a autora J. K. Rowling em nenhum momento nomeou-a na série.
Vou chamar estes profissionais de Mentadores!

Perceba que estou criando uma oposição aos temíveis Dementadores propositalmente. Se estas criaturas roubam a felicidade das pessoas, os Mentadores têm como um dos objetivos ajudar as pessoas a encontrar a felicidade! 😆

Como seria o trabalho dos psicólogos bruxos / mentadores

Como um psicólogo trouxa, posso afirmar que, algumas vezes, a magia viria a calhar no trabalho clínico.
Algumas magias, poções, objetos mágicos e até criaturas mágicas poderiam ajudar, suponho.
O trabalho do mentador seria diferente no sentido das técnicas disponíveis. Mas, evidentemente, alguns métodos dos psicólogos também seriam utilizados pelos mentadores — o diálogo e as entrevistas são bons exemplos disso. E, também, como o objetivo é o mesmo  promover saúde mental —, o mentador tem razão em também utilizar técnicas do psicólogo.
Também existiriam entraves que só o mentador enfrentaria. Existem algumas circunstancias e fenômenos sociais do mundo bruxo que poderiam trazer sofrimento e prejuízos à saúde mental das pessoas.
E acredito que também haveriam implicações éticas exclusivas ao mentador.
Tratarei de tudo isso da forma mais clara possível adiante no texto.

Penseira: instrumento para ajudar na compreensão das vivências

penseira harry potter psicólogos
Penseira de Dumbledore
Fonte: https://observatoriodocinema.bol.uol.com.br/wp-content/uploads/2016/10/pensieve.png
Uma das funções mais importantes do psicólogo é ajudar as pessoas a entenderem experiências passadas, para ampliar as possibilidades de agir no presente. Por exemplo, traumas ou relações opressivas na infância restringem a consciência e amplitude de comportamento das pessoas.
Um trabalho que considero que os psicólogos bruxos fariam envolveria a Penseira.
Você se lembra da penseira de Dumbledore? Na qual ele conseguia armazenar experiências vividas e revivê-las como observador imaterial?
Acredito que um dos trabalhos dos mentadores seria acompanhar os seus clientes em memórias passadas, de modo a ajudá-los a elaborar e re-significar experiências. Isso ajudaria as pessoas a entenderem melhor o sentido das experiências e, simultaneamente, ajudá-las a perceber o que podem fazer no presente a respeito das vivências que ainda atormentam.

Bicho-papão para auxiliar a vencer fobias



Os psicólogos bruxos teriam a sua disposição um bicho-papão. Por quê?
Existem técnicas na psicologia para dessensibilização de fobias. Significa que os profissionais gradualmente diminuem as reações fóbicas das pessoas por meio de técnicas.
O bicho-papão seria o último estágio para transcender a fobia. Seria o último, pois, o bicho transforma-se no pior medo da pessoa, e confrontar o fóbico com o seu pior medo sem um tratamento de dessensibilização, pode piorar ainda mais a fobia em questão.
Após o mentador ajudar o cliente a diminuir suas reações de medo, ele mediaria o encontro do cliente com o bicho-papão. Após algumas exposições ao bicho, o cliente estaria resiliente à fobia.

Terapia para prevenção do desenvolvimento de obscurus

Cena do Filme Animais Fantásticos e Onde Habitam, retratando o obscurus.
Fonte: http://boxpop.com.br/wp-content/uploads/2016/11/obscurus-animaisfantasticos.jpg

A mais nova história de J.K. Rowling, protagonizada por Newt Scamander nos cinemas, nos trouxe mais um conhecimento sobre o mundo bruxo: a existência dos obscurus.
Obscurus surgem em bruxos ou bruxas que reprimem seus poderes mágicos. A repressão leva ao surgimento de uma força das trevas dentro da pessoa, e acabada a matando ainda bem jovem.
Isso me leva a crer que muitos mentadores realizariam terapias para crianças que possivelmente estariam reprimindo seus poderes mágicos, para ajudarem-nas no processo de aceitação e integração da magia na sua existência.

Terapia para Abortados

Acredito que, para pessoas filhas de bruxos que nascem sem poderes, isso deve ser uma grande frustração.
Uma evidência disso é o Filch, zelador da escola mágica de Hogwarts. Em um momento na história de Harry, ele toma conhecimento que Filch é um aborto. E fica claro que para Filch é um enorme sofrimento não ser dotado de magia. Ele inclusive busca por cursos  aparentemente picaretas  que prometem a abortados aprenderem magia.
Acredito que os mentadores poderiam ajudar muitas pessoas a encontrarem significado em suas vidas sem dependerem da magia. E, portanto, fazerem escolhas que as guiassem à felicidade.

Poção Polissuco

Creio que o uso da poção polissuco seria bastante controverso.
Por um lado, se o mentador pudesse se transformar na pessoa com o qual o cliente tem uma questão, seria muito benéfico. Talvez você esteja se perguntando por quê.
Muitas vezes os clientes falam de suas dificuldades de relacionamento com outras pessoas na terapia. Algumas técnicas do Psicodrama e da Gestalt-terapia permitem que o psicólogo “dramatize” com seu cliente estes relacionamentos. Isso ajuda a promover a consciência do cliente sobre seus papéis no relacionamento, seus sentimentos e atitudes.
Além disso, ajuda a perceber possibilidades de relacionar-se que não são facilmente perceptíveis no dia-a-dia.
Então, se o mentador pudesse transformar-se em diversas pessoas com a poção polissuco, a experiência de atendimento para o cliente seria muito mais rica.
Por outro lado, algumas questões éticas emergiriam dessa técnica. O cliente deveria se encarregar de pegar um fio de cabelo de outra pessoa, como ingrediente da poção. E isso, evidentemente, seria feito sem o consentimento da pessoa.

Portanto, algumas pessoas da sociedade bruxa poderiam se sentir constrangidas por esta prática dos mentadores. Assim sendo, seria uma técnica controversa e suscetível a impedimento por parte do Ministério da Magia.

Polêmica: Legilimência

Um tema controverso para os psicólogos bruxos seria o uso da legilimência. Imagine: ter a capacidade de ler mentes e saber de experiências íntimas sem necessariamente ter a autorização das pessoas.
Seria uma polêmica no mundo bruxo que o Ministério da Magia deveria promover debates para chegar ao consenso.
Seriam os mentadores autorizados a usar legilimência?
E, caso fossem, precisariam da autorização explicita do cliente?
E mesmo assim, se for permitido como técnica aos mentadores, mas o cliente não permitir. O que garantiria que o psicólogo bruxo não estaria usando a legilimência?
Polêmicas que talvez a J.K. Rowling responda algum dia? 😍

Psicólogos bruxos no Hospital St. Mungos

Na história de Harry Potter, vemos dois principais profissionais da saúde bruxa: os curandeiros e enfermeiros. Os mentadores também seriam dessa categoria.
Quando Arthur Weasley é internado no Hospital St. Mungos, Harry, Hermione e Rony se deparam com três personagens que poderiam obter muitos benefícios do tratamento com psicólogos bruxos: Gilderoy Lockheart, Frank e Alice Longbottom.
Os psicólogos bruxos poderiam auxiliar na reabilitação de Lockheart depois de ter sido obliviado, e participar da reinserção dele na sociedade bruxa.
Além disso, poderiam se ocupar dos cuidados com a saúde mental de Alice e Frank, que foram vítimas da maldição cruciatus.

Outras considerações sobre os psicólogos bruxos

Os psicólogos defendem a igualdade social em todos os seus níveis. Acredito que os psicólogos bruxos também o fariam.

A classe dos mentadores seria favorável a igualdade entre bruxos (sangues-puro, mestiços e nascidos-trouxa).
Acredito que os mentadores também seriam simpáticos às causas dos elfos domésticos defendidas por Hermione durante a história.
Harry Potter Patrono Psicólogos
Expecto Patronum!
Fonte: http://img4.wikia.nocookie.net/__cb20080521222125/harrypotter/images/9/9a/HarryPatronusPoA.jpg
Outro ponto muito relevante que seria observado na comunidade bruxa é que pessoas que passaram por terapia com os mentadores teriam os Patronos mais poderosos dentre os bruxos.
O trabalho com os mentadores amplificaria a consciência do que é significativo e repercute em felicidade para a pessoa  o mesmo acontece na psicoterapia convencional. Daí viria a capacidade de realizar Patronos com maestria.

O que você achou dessas ideias sobre os psicólogos no mundo bruxo de Harry Potter? Tem alguma outra ideia de como seria? Comente abaixo para sabermos o que faltou no texto!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…