Pular para o conteúdo principal

O incômodo lugar do não-saber


Todos os dias de nossas vidas temos que tomar alguma decisão. Nem que seja o que comer no café da manhã. Decisões fazem parte da vida das mulheres e homens modernos. Nossas escolhas diárias são o exercício pleno da nossa liberdade que, como já dizia Jean-Paul Sartre, é também nossa condenação. Às vezes, as decisões que temos que tomar são simples e fáceis de escolher; outras vezes, são mais complexas e todas as opções que nos são apresentadas parecem conflitantes. Independente de qual seja o caso, há uma questão que, na contemporaneidade, tem sempre perpassado o processo de decisão: a pressa.

Em uma sociedade em que o progresso tem sido incessantemente buscado, dentre outros, por meio de uma evolução contínua da tecnologia, somos treinados, desde nosso nascimento, a realizar tudo com celeridade, rapidez. Ninguém mais tem tempo e/ou paciência de esperar as coisas acontecerem, uma vez que, se você precisa de alguma informação, pode imediatamente fazer uma busca no Google pelo seu celular, ao invés de ir à biblioteca, por exemplo.

Não me entenda mal, isso é ótimo! A facilidade de acesso à informação que temos hoje nos permite muito mais do que há pouco mais de uma década. E vários movimentos importantes para a humanidade estão sendo feitos por meio de redes sociais, com um alcance imensurável graças às possibilidades que o acesso à internet proporciona. Em várias situações a rapidez é desejada, ou até mesmo necessária. O problema é que estamos levando isso ao extremo a todos os aspectos da nossa vida.

Nós, treinados como somos a ter pressa, queremos decidir tudo o mais rápido possível inclusive grandes decisões da vida e não sabemos lidar com o não-saber. Isso faz com que não dediquemos o tempo necessário para que a resposta venha até nós (depois de muita reflexão, obviamente. Não é mágica). Tomamos decisões impulsivas, sem conseguir vislumbrar as possibilidades na sua plenitude. O problema é que, posteriormente, isso acaba levando à frustração, ao já conhecido pensamento: “e SE eu tivesse escolhido a outra opção?”. É claro que fazer escolhas conscientes não é uma garantia de que você não vai se frustrar. Mas, pelo menos, você vai poder dizer: “escolhi isto porque eu quis, depois de muita reflexão e de forma consciente. Hoje vejo que talvez não tenha sido a melhor escolha, mas foi o que eu julguei certo na época”.

E seja menos duro(a) consigo mesmo(a). Você não é a pior pessoa do mundo porque optou por X ao invés de Y. Claramente, não dá para alterar o passado. Mas dá para fazer diferente daqui pra frente, e você tem um mundo de possibilidades!

Quero fazer hoje um convite aqui. Experimente estar confortável no lugar do não-saber. Você não precisa saber o tempo todo. Tudo bem estar em dúvida, tudo bem não saber o que fazer às vezes. Está tudo bem! :)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…