Pular para o conteúdo principal

13 Reasons Why: seria esse personagem o responsável pelo suicídio de Hannah?

Fonte: imdb.com

Já faz um tempo que quero escrever sobre a série da Netflix, 13 Reasons Why, mas não conseguia dedicar o devido tempo para elaborar sobre o tema que é muito relevante e delicado. Relevante pois teve um impacto na sociedade, o que é um indício de ter mexido bastante com muita gente, e delicado pelo fato de que o tema central da série é o suicídio.
Não vou entrar na discussão se foi adequado ou não mostrar o que a série mostrou. Vi muitas discussões focando nisso: se foi uma série adequada. E não focou no que realmente deveria focar, a meu ver: na construção da decisão de Hannah. Obviamente é muito importante que conversemos sobre a forma que o suicídio de Hannah foi exposto, para nas próximas vezes que o suicídio for exposto em vias populares, seja feito de forma mais responsável.
No entanto, esta discussão sobre a construção da decisão de Hanna é igualmente importante. Pois ao discutir somente sobre isso, estaremos refletindo e analisando potenciais conjunturas suicidas do mundo real. Obviamente, o que foi retratado sobre Hannah é muito verossímil, por dois motivos que consigo pensar agora:

1) Pelo impacto que teve na sociedade e por ter tomado parte em muitas de nossas conversas;
2) Pelo fato de que o número de buscas por ajuda juntamente ao Centro de Valorização da Vida (CVV) aumentou mais de 100% desde o lançamento da série – e algumas pessoas que pedem ajuda fazem referência à série.
Portanto, constatando a verossimilhança que a série tem, podemos dizer que a trajetória de Hannah deve ser algo a ser discutido, para aproveitarmos do material da série, para tentar promover algum tipo de ajuda para pessoas que tem ideações suicidas.
É isso que pretendo fazer neste artigo. E na conclusão pretendo chegar a um nome de personagem que considero ser o principal responsável pela tragédia ocorrida com Hannah Baker.

Leia também: 7 coisas que você precisa saber sobre o suicídio

A família é responsável?

Realizando uma análise fria baseada em princípios jurídicos, os pais de Hannah são responsáveis por ela, pois era menor de idade. E isso inclui os cuidados com a saúde e bem-estar da filha. Na área da saúde mental é consenso que se uma pessoa é suicida, ela está em sofrimento (e talvez tenha alguma enfermidade mental), e é regra que precisa de cuidados profissionais. É papel dos pais assegurarem que a(o) filha(o) tenha acesso a isso, caso necessário.
Com base nestes princípios, os pais de Hannah não estariam inteiramente desresponsabilizados. No entanto, para ajudar a filha, eles teriam que perceber que algo estava diferente na vida dela, só ao tomarem consciência disso poderiam tomar alguma providência.
Na série vemos que os pais dela estão sobrecarregados com o negócio que sustenta a família, e enfrentando vários problemas. Pensando por este lado, estariam preocupados com o bem-estar da filha por estarem se esforçando para prover para ela. Então, ao mesmo tempo em que estariam cuidando dela, deixaram de perceber algo mais urgente: que a filha estava sofrendo bullying e assédios na escola, além de estar sofrendo isolamento social e que foi até mesmo vítima de crime.
Chegamos a um ponto muito problemático para a saúde da criança e do adolescente do meu ponto de vista profissional. É um sintoma contemporâneo: pais não darem atenção e afeto aos filhos por estarem sobrecarregados com o trabalho ou cansados demais de tanto trabalhar. Isso provoca distanciamento e faz muito mal para o bem-estar psicossocial de crianças e adolescentes. Este bem-estar psicossocial é o que foi afetado em Hannah, que acabou estabelecendo condições para ela tomar sua decisão trágica do suicídio.
Então, seria responsabilidade dos pais? Ou estão agindo de acordo com o que é esperado pela sociedade? Ou talvez as duas coisas?
Acredito que eles poderiam sim ter ajudado Hannah se tivessem sido mais atenciosos. Mas não são os que tiveram maiores condições de ajudar Hannah no momento em que ela mais precisava. Veremos quem é adiante no texto.

Leia também: Bullying e Suicídio: existe relação entre os dois?

Colegas da escola?

Nas treze fitas deixadas por Hannah para explicar os motivos de seu suicídio, doze são dedicadas a onze colegas. Mas não acredito que nenhum deles é o principal responsável por não ter feito nada para ajudá-la. Evidentemente, muitos são péssimos como seres humanos. E nem vou começar a falar sobre Bryce, que é um criminoso expressão da decadência da humanidade contemporânea.
Não podemos desconsiderar a participação dos colegas para os prejuízos à saúde mental de Hannah. No mundo sempre haverão pessoas que serão tóxicas para nossa existência, portanto é importante saber o que fazer com isso. E Hannah tentou fazer algo, mas que não sentiu que a ajudou. Aí que na minha análise, aparece qual o principal responsável no suicídio de Hannah.

Leia também: Precisamos falar sobre suicídio

E a escola e seus profissionais?

Dois personagens devem ser levados em consideração para falar sobre o suicídio de Hannah: a professora Mrs. Bradley e o counselor Mr. Porter.
São os dois que estavam mais aptos a auxiliar Hannah (ou deveriam estar), e que tiveram excelentes oportunidades para isso, mas não o fizeram.
A Mrs. Bradley teve a oportunidade quando leu um bilhete em sala de aula, de um(a) aluno(a) manifestando ideações suicidas. E ela não fez nada a respeito! Começou a falar sobre, mas não finalizou o assunto, não comunicou à Diretoria, não promoveu nenhuma ação para dar suporte ao suicida em potencial.
Alguém poderia dizer: “Ah, mas ela é professora só, isso não é papel dela”. Tudo bem, inicialmente pode não ser, mas quando alguém está em sofrimento como foi possível notar no bilhete, torna-se papel de qualquer um fazer alguma coisa a respeito! Suicídio é um risco de morte, e isso merece atenção prioritária em qualquer momento.
E o Mr. Porter, esteve na melhor condição de ajudar Hannah, quando ela deu mais uma chance a vida. E não conseguiu salvá-la. Após o estupro ela estava quase decidida e, como último recurso, foi buscar apoio do Mr. Porter – pela sua função na escola.
Hannah tentou fazer algo para sair do seu profundo tormento neste momento. E o profissional não conseguiu fazer nada para ajudá-la. Ele, em teoria, seria o profissional com formação profissional para auxiliar os estudantes neste tipo de caso – no mínimo com um acolhimento bem feito ou providência.
Portanto, era o mais preparado para resgatá-la do vazio doído que era sua vida. Mas que com a devida ajuda poderia se tornar algo completamente diferente.
Enfim, concluo minha análise ressaltando a importância de conversar sobre a construção do suicídio de Hannah. Não foi um ponto isolado, muito menos 13 razões que ocasionaram o seu suicídio. Foi todo um conjunto de fatores que vão além das 13 razões, e o todo que elas formam, é muito mais forte do que a soma de cada um deles. Por exemplo, uma dor que sentimos tem uma sensação, mas duas dores, parecem mais do que duas. É o todo que conta, não é a soma.

Veja o Infográfico: Acolhimento - Como ajudar pessoas em sofrimento?

E podemos concluir sobre a importância de pais estarem orientados sobre o cuidado com a saúde mental dos filhos, e os profissionais das escolas estarem preparados para lidar com a situação. Muitos suicídios poderiam ser evitados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…