Pular para o conteúdo principal

Ansiedade: por que não é possível acabar com ela tentando não ser ansioso(a)?


Este texto será breve, para não desestimular os ansiosos de lerem! Afinal, posso fazer uma introdução extensa e rica sobre o tema, no entanto, o mais importante aqui é focar no que interessa, que é saber porque uma pessoa ansiosa não consegue parar de ser ansiosa tentando não ser ansiosa.
Caso você se considere uma pessoa ansiosa, talvez já deve ter tentado várias coisas como:
- Tentar não ficar pensando no futuro;
- Pensar em outra coisa para contornar a ansiedade;
- Tentar esquecer da coisa que está por vir;
- Ingerir álcool para diminuir a ansiedade;
- Ocupar-se de alguma forma para evitar os sintomas ansiosos.
- Dentre outras coisas para não passar pelo desconforto das expectativas.
Acredito que nenhum desses tenha dado muito certo, não é mesmo? Talvez algum pode funcionar pontualmente, mas a sensação ansiosa sempre acaba voltando. E você precisa ficar repetindo o que fez anteriormente para se livrar da ansiedade.
A ansiedade é um desconforto tremendo!
Pessoas ansiosas sabem que a experiência da ansiedade é muito desconfortável! Parece que a ansiedade limita e atrapalha em diversos âmbitos da vida, como o familiar, o profissional e o pessoal, certo?
Muitas pessoas tentam parar de ser ansiosas por conta própria, e muito dificilmente conseguem, pois a tentativa individual é geralmente baseada em racionalizações. E a ansiedade não é racional!
Recomendo a leitura do artigo 4 coisas que você precisa saber sobre ansiedade, pode te ajudar ainda mais a entender e enfrentar seu fardo de vida ansioso.

Por que isso não funciona para acabar com a ansiedade?

A existência humana consiste de razão-emoção-fisiologia.
Quando uma pessoa diz: “vou controlar a ansiedade não pensando nela”. Esta é uma atitude puramente racional, que não considera o envolvimento emocional e corporal com a ansiedade. Por isso ela é ineficiente. Ataca a ansiedade em somente um pilar da experiência humana.
Ao tentar analisar racionalmente a ansiedade, as pessoas podem inclusive estar reforçando a ansiedade. É o que acontece com muitos clientes da psicoterapia. Muitos chegam dizendo que não estão conseguindo controlar a ansiedade e que sabem que ela prejudica muito a própria vida, mas não conseguem parar de ser ansiosos(as)! Apesar de todas as tentativas.

Mas por que a racionalidade reforça a ansiedade?

A natureza ansiosa não é racional, este já é um motivo para não ser uma boa forma de enfrentamento. A ansiedade é essencialmente a experiência de antecipar acontecimentos futuros. Ou seja, a pessoa vive o futuro antes mesmo deste acontecer. Por isso a expectativa para algo é pior do que o próprio acontecimento em si. Pois a pessoa fica vivendo aquele futuro e, na maioria das vezes, este é antecipado na pior forma possível.
Além disso, a racionalidade nos leva ao movimento de controlar e planejar a vida. Dependendo da experiência ansiosa, isso pode chegar a níveis obsessivos graves, podendo até mesmo levar a um quadro de Transtorno obsessivo-compulsivo. Mas atenção que isso não acontece com frequência, logo não quer dizer que vai acontecer com você, ok? Mas é preciso se cuidar.
Essa atitude de tentar controlar e organizar a vida nos mínimos detalhes é mais um tormento, pois a experiência de vida fica restrita ao planejado, e quando não acontece da forma como planejado (que é a maioria das vezes), vem o sofrimento. E depois, provavelmente a pessoa ansiosa fica analisando e remoendo o acontecido, buscando entender onde errou em seu controle para as coisas terem dado errado – errado no sentido de não ter acontecido da forma que estava esperando.
É um tormento, que faz as pessoas se sentirem ainda mais incapazes! E isso é um erro da educação que temos desde pequenos. A nossa educação não é emocional, ela é quase que totalmente racional. A psicoterapia consiste de psicoeducação -- dentre outras coisas --, assim os clientes vão aprendendo a integrar racional-emocional-fisiológico para melhor lidar com a ansiedade.
Só ao tomar consciência da experiência integral, será possível enfrentar a ansiedade. E também ao aprender a valorizar o aqui-e-agora! Entender que tudo acontece agora e nada mais está sobre seu poder de influência. Mas nunca será possível se livrar completamente dela, pois ela pertence à natureza humana. Todo mundo é ansioso em algum momento da vida.

Você gostou deste texto? Acredita que ele pode ajudar alguém que conhece? Compartilhe com essa pessoa! E qualquer coisa, nós, psicólogos do Janela Interna, estamos à disposição para ajudar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…