Pular para o conteúdo principal

Bullying e Suicídio: existe relação entre os dois?

"E quais são as expressões mais comuns da agressão? Humilhação, apelidos depreciativos, jogos de poder dos “chefes” e dos “populares” da turma que submetem os colegas, intimidando-os para que obedeçam a seus comandos sob pena de exclusão do grupo, ameaças de agressão física ou constrangimento moral, mensagens difamatórias ou ofensivas. São ataques maciços à autoestima que, em muitos casos, estimulam na vítima sentimentos de rejeição, dificuldades de inserção no grupo, medo de ir à escola, crises de angústia, estados depressivos e, em casos mais graves, tentativas de suicídio."

Bullying ​e cyberbullying – o que fazemos com o que fazem conosco de Maria Tereza Maldonado. Disponível aqui.



A Campanha Setembro Amarelo nos incentiva a falar responsavelmente sobre o suicídio, certo? Então, consideramos ser importante trazer este tema a discussão: será que o bullying pode levar ao suicídio?

Por que estamos sugerindo uma possível associação entre bullying e suicídio?

O bullying é uma relação de violência, na qual temos uma interação entre algoz e vítima. Existem várias formas de expressão do bullying, mas todas merecem atenção.
Talvez você se lembre da história de Amanda Todd. Ela foi vítima de cyberbullying. E ao contar sua história, as agressões, intimidações e hostilizações parecem ser causa primeira de uma série de problemas que levaram ao intenso sofrimento de Amanda. Antes de cometer o suicídio, Amanda fez um vídeo contando sua história. Você pode assisti-lo a seguir (o vídeo leva a emoções intensas):


E mais recentemente, ocorreu outro caso de suicídio na adolescência, que chamou de novo nossa atenção para o bullying. Daniel Fitzpatrick tinha 13 anos quando cometeu suicídio. Ele era vítima de bullying na escola. Recorria a ajuda de professores e profissionais, mas não fizeram nada para ajudá-lo. Ele deixou uma carta relatando o bullying sofrido.

Isso é evidência sólida da relação bullying e suicídio?

O bullying não é desencadeador exclusivo das ideações suicidas que podem levar ao ato de tirar a própria vida. O bullying tem forte tendência a levar a vítima a sofrer de ansiedade, quadros depressivos ou até crises de pânico. Estes quadros de saúde mental, na verdade, é que têm como sintoma ideações suicidas.
Paralelamente, os episódios constantes de bullying agravam ainda mais a saúde mental da vítima. Não devemos considerar o bullying ou o quadro de saúde mental isoladamente, devemos considerar os dois como uma relação indissociável – e de fato são.
Portanto, o bullying agrava a saúde mental, e a saúde mental prejudicada deixa a vítima de bullying ainda mais desolada. É o conjunto que imputa ideações suicidas aos jovens.
Existem estudos que pesquisam a relação entre bullying e suicídio, e diversos deles constatam que a saúde mental toma parte no processo. Você pode ver alguns deles neste artigo aqui.


Risco de suicídio também em repercussões tardias do bullying

Um estudo de pesquisadores da Kings College mostrou que crianças vítimas de assédio e intimidações entre os 7 e 11 anos de idade sofreram traumas mesmo depois dos 40 anos de idade. O impacto do bullying foi imenso: os adultos vítimas na infância eram mais propensos a desenvolver depressão, transtornos de ansiedade e pensamentos suicidas.
Esta é mais uma evidência da associação entre bullying e suicídio – mesmo após terminada a juventude.

Mais um alerta para o bullying

O risco de suicídio é mais um alerta para prestarmos atenção ao bullying.
Não podemos descartar que as manifestações deste tipo de violência devem ser minimizadas. Isso só será possível com a educação de pais e profissionais sobre o tema. Caso você tenha interesse em saber mais sobre o Bullying e como lidar com ele, curta nossa página no Facebook, pois em breve teremos conteúdos de grande valia sobre o tema. Você irá aprender como identificar e intervir nos casos de bullying.


O que achou deste artigo? Tem algo a contribuir com ele? Deixe nos comentários sua opinião. E compartilhe este texto nas redes sociais para conscientizar mais pessoas sobre este delicado e importante tema.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…