Pular para o conteúdo principal

7 coisas que você precisa saber sobre felicidade


Felicidade é um tema relevante para qualquer um. Afinal, todos nós ansiamos por algum tipo de felicidade, não é?

E você, o que precisa para ser feliz? Se você chegou até aqui, ficou no mínimo intrigado e interessado para saber um pouco mais sobre felicidade.

Este artigo não tem a intenção de falar condições para ser uma pessoa feliz, pois não acreditamos que não exista um modelo absoluto de felicidade.

Mas é evidente que existe algum tipo de eixo que leva a maiores tendências de felicidade. Entretanto este eixo não é algo rígido. Ele permite que as pessoas criem suas próprias formas de felicidade.

Então o que é este eixo? O que você precisa saber para ser mais feliz?

A seguir contamos algumas essências, ou seja, características propensas a serem universais da felicidade.

1 – Felicidade é pessoal

Não existe um modelo absoluto de felicidade – assim como exposto anteriormente. Cada pessoa modela sua vida de forma distinta em busca da felicidade.

Evidentemente, alguns elementos em comum tornam algumas pessoas felizes – por exemplo a família, os amigos, trabalhos voluntários, etc.

Entretanto não é tão simples assim. Temos que pensar no eixo da felicidade, novamente. Pois mesmo que eu e meu amigo sejamos felizes com nossas famílias, nossas famílias não são iguais.

São famílias que estabelecem relações diferentes, que proporcionam afetos de diferentes formas.

E ainda existem as pessoas que tiveram péssimas experiências familiares, o que coloca em dúvida se ter convivência familiar é condição para ser feliz. Mas ainda assim, se relacionam com outras pessoas de forma próxima e íntima – quase como uma família.

Portanto, podemos constatar algo: existe algo que subjaz o papel da família na felicidade. Pois não é ela que necessariamente leva à felicidade para todos.

Entretanto, ter alguém em que confiamos, que nos apoia, e que temos um íntimo relacionamento parece ser elemento predecessor da família. E portanto, a felicidade pode ser realizada na relação com outra pessoa que não seja um familiar.

Deu para ter uma noção de como a felicidade vai tomando formas individuais? Mas mesmo assim, a felicidade não está submetida ao que na filosofia chamamos de relativismo. Relativismo é não ter qualquer referência, ser radical sobre qualquer ponto de concordância e conceber que as coisas são relativizáveis a ponto de não haver possibilidade de argumentação ou certeza.

Enfim, existe o eixo para orientar a felicidade, mesmo ele sendo pessoal para cada um.

2 – As pessoas vão tentar te dizer o que significa ser feliz

Bom, já vimos que a felicidade é pessoal. E mesmo assim, sempre haverá alguém para te dizer o que é ser feliz, e o que você precisa para isto.

Isso não é necessariamente ruim, de forma geral as pessoas fazem isso com ótimas intenções. Pois se algo faz delas felizes, por que não compartilhar com os outros, não é?

E contar essas coisas é ótimo. Entretanto, ainda existem os conselhos que prometem felicidade: “Você precisa se casar para ser feliz”, “Faça um concurso público, pois a estabilidade traz felicidade”, “Abra sua própria empresa, pois só chefes podem ser felizes”, “Siga tal religião, pois ela é a melhor para trazer paz”. São diversos discursos.

Ainda assim, é ótimo ouvir as pessoas. Por traz dos conselhos, ainda existem opções e alternativas sendo reveladas, que podem dar ótimas dicas.

Mas atenção ao seguinte: por mais que várias pessoas vão dar conselhos sobre a felicidade, é você quem irá decidir que caminho seguir. Você é quem modela sua própria vida.

Toda pessoa tem uma história. Você deve conhecer a sua própria história – procurar autoconhecimento. Esses conselhos têm muito a ver com a história de vida das pessoas que os dão.

Com certeza, sua história é única. Então Sua felicidade também será distinta. Não acredite que só porque deu certo para alguém, vai dar certo para você.

Assuma a responsabilidade pelas decisões. Ouça os outros, mas reflita sobre tudo.

3 – Sentido de vida tem relação com a felicidade

Isso não é nenhum segredo. Uma vida com sentido é muito mais propensa à felicidade.

E o sentido nunca é imposto – não existe uma regra objetiva. O sentido é encontrado através de suas próprias experiências de vida. E então ele é dado por você mesmo.

Reflita sobre o que é importante para você. No passado, quais os momentos mais significativos que te marcaram?

E hoje em dia, o que mais toca suas emoções e sentimentos? O sentido não será encontrado racionalmente, pois ele não é da ordem da razão.

Ele é algo muito além disso, algo que você se depara continuamente e mexe com você extrapolando os limites da intelectualidade.

Novamente, é preciso assumir responsabilidade pelo sentido que sua vida tem. Felicidade e sentido são inexoráveis.

4 – Passado, Presente ou Futuro? O que mais importa para a felicidade?

Vou responder já: Todos esses importam para a felicidade. Mas cada um desses assume papel diferente.

O passado não é algo ao qual devemos nos prender. O que passou já não o é mais, e nos resta o presente.

É neste presente que o passado tem importância. O que as experiências passadas te dizem? O que você aprendeu com elas? O passado dá várias dicas para o que é melhor fazer a partir de agora!

A importância do presente é essa: tudo acontece nele. O passado acaba se culminando no presente, pois tudo que já vivemos nos fez o que somos agora! O passado vive no presente, e no presente podemos até mesmo ressignificar o passado – estabelecer uma nova compressão sobre ele.

E o futuro, que ainda não o é, também acontece no presente. Os projetos que fazemos para o futuro, acontecem no agora. E na medida que o futuro vai se realizando, ele se torna presente. Então tudo está culminando para o presente! Ou seja, sua felicidade também está condicionada pelo que você faz no presente.

As ideias de futuro estão ligadas ao sentido de vida. Entretanto, tudo isso só será concretizado se tomarmos atitude agora.

O passado, presente e futuro, estão intimamente relacionados ao sentido de vida e como agimos para sermos felizes.

5 – Relacionamentos são importantes, mas não o mais importante

A felicidade é ainda maior quando compartilhada com outras pessoas.

Até mesmo se olharmos evolutivamente, homo sapiens é uma espécie social, que vive em grupos. Por que a felicidade não seria também realizada nos relacionamentos sociais?

Entretanto, algumas pessoas se perdem nos relacionamentos. É importante saber transitar entre o interior e o exterior.

Algumas vezes devemos retrair e refletir sozinhos para desvendar se nossas experiências tem nos deixado felizes.

Se não fazemos isso, nos perdemos em um loco exterior à nós, e vamos perpetuamente seguindo isso, sem refletir sobre o que temos feito em nossas vidas e qual o sentido de permanecer em tais relações.

Portanto, relacionamentos são importantes para a felicidade, entretanto para continuarem sendo ricos e nos deixando profundamente felizes – não superficialmente – devemos retornar a nós mesmos.

Sempre estando em paz primeiro com a nossa individualidade para obter e oferecer o melhor de nós para as pessoas que nos relacionamos.

6 – Modelos de Felicidade existem?

Como já deve ter ficado evidente. Modelos de felicidade não existem. Cada um encontra o seu próprio caminho.

No entanto, perceba sempre que há um eixo para a felicidade. O que quer dizer que não há um manual de instruções.

Mas existe algo de que todos os manuais de instruções para a felicidade compartilham. O que você percebe de comum em todos eles? E você concorda com esse caráter universal que encontrou neles? Se não, qual o oposto disso?

Vá refletindo, vá tentando. Se quiser seguir alguma dica de alguém, siga! Não há problema nisso. Mas lembre-se que é necessário que você reflita sobre a experiência depois, para avaliar se foi significativa para você. 

Dessa forma você irá desvelando o sentido.

7 – Confie na sua experiência para saber o que te faz feliz

Suas experiências de vida são fonte riquíssima para revelar como você será feliz. Assim como falamos no item 4, o passado também importa para sua felicidade. Existe algo na sua história que é triste? O que você pode fazer hoje sobre isso?

Muitas pessoas encontraram o sentido em alguma experiência de vida. Até mesmo em experiências traumáticas.

Se não tiver nenhuma experiência marcante que revele o sentido para você, não tem problema. Ainda existem diversas outras que, se conjugadas, revelam dicas sobre o que te faz bem agora.

E o que te faz bem já é um passo para saber o que pode te fazer mais feliz.


Enfim, lembre-se sempre que a felicidade depende de você. Algumas vezes decisões difíceis tem que ser tomadas. O trabalho está te deixando infeliz? Tem como mudar este cenário? Uma saída poderia ser sair deste emprego, o que não é uma decisão fácil, muito pelo contrário.

Entretanto, sua vida vale ficar vivendo isso? Pesquisas indicam que a felicidade requer assumir  riscos. Reflita sobre essas coisas. Se tiver que tomar uma decisão muito difícil, existe uma forma de ter o apoio necessário neste momento? Talvez haja, e você ainda não sabe.

Lembre-se também que para realizar a felicidade é necessário sua ação. Além da intenção e da vontade. Não desista de tentar se não der certo a primeira vez, sempre há uma nova forma de tentar.

E por último. Não será fácil, pode requerer tempo para a vida se transformar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…