Pular para o conteúdo principal

4 coisas que você precisa saber sobre ansiedade

Nos dias de hoje, a palavra “ansiedade” caiu na boca do povo. Tem sido cada vez mais comum conversar com alguém que se diz ser ansioso. Ou talvez você mesmo se auto intitule assim. Mas o que é, afinal, a ansiedade?

Fonte: <a href="http://br.freepik.com/fotos-gratis/no-da-corda-velha_892466.htm">Projetado pelo Freepik</a>

Do ponto de vista da Gestalt-terapia, a ansiedade é um estado emocional dirigido para o futuro. Ou seja, é uma preocupação incômoda e normalmente pessimista com algo que ainda não aconteceu. Porém, existem muitos mitos acerca do que é ou não ser ansioso. E, por isso, preparamos abaixo 4 coisas que você precisa saber sobre ansiedade:


 1) Todo mundo é ansioso

A ansiedade, da forma como está sendo descrita aqui, vai atingir a todas as pessoas, em algum momento. Todos nós passamos por situações mais estressantes, que acabam nos fazendo projetar no futuro: “como vai ser se eu sair deste emprego? Agora é um bom momento para mudar de casa? Será que vou conseguir aquela vaga? O que eu vou fazer se não conseguir? Caso ou compro uma bicicleta?” Esses são questionamentos pelos quais qualquer um de nós pode passar. E, de forma geral, é bom que seja assim. Afinal de contas, é necessário planejar. Precisamos fazer planos para o futuro. A grande questão é o que acontece quando as coisas saem do planejado. Como lidamos com isso?

O DSM e o CID-10 descrevem os transtornos de ansiedade como sendo preocupações excessivas com os eventos e atividades diárias. Porém, o que é excessivo? Como definir esse limite? Como saber se o quanto eu me preocupo é muito, pouco ou suficiente? O importante aqui é saber que esta é uma questão que só você pode responder. Você é a única pessoa que pode saber se seu nível de preocupação é algo que tem lhe causado prejuízos significativos no seu dia-a-dia.


2) Você precisa controlar sua ansiedade! Será???

Este é o conselho que provavelmente todas as pessoas com quem você decidiu compartilhar sua ansiedade te deram. Como descrito anteriormente em outros textos (como neste aqui), normalmente tendemos a rejeitar as nossas características que não gostamos. O grande problema é que, ao fazer isso, você vai tentar cuidar para que essa característica nunca aflore, reprimindo-a. Porém, não é porque você escolhe esconder sua ansiedade que ela deixará de existir. Pelo contrário: ao tentar reprimi-la, você está evitando entrar em contato com ela e, por consequência, de refletir sobre ela. E isso irá, na verdade, contribuir para ela que fique cada vez mais forte.

Imagine que você está vivenciando uma situação que o(a) deixe ansioso(a). Quando o sentimento de ansiedade vem, acompanhado pelos pensamentos ansiosos, você escolhe simplesmente ignorá-los e agir como se eles não estivessem ali. Além disso, você sente raiva de si mesmo por ter esses tipos de pensamentos, o que também contribui para te deixar ainda mais nervoso(a). Isso ajuda em alguma coisa? É claro que não. E pelo contrário, só atrapalha!

Mas, o que fazer, então? A resposta é simples, embora nada fácil de executar: aceitar. Quanto mais eu me dou conta da minha ansiedade, e dos pensamentos ansiosos gerados por ela, mais posso integrá-los e aceitar a mim mesma, além de desenvolver estratégias para lidar com as dificuldades do dia-a-dia.


3) Planejar o futuro é importante, mas não se esqueça de focar no presente

Quando se passa todo o tempo preocupando-se com o futuro, é difícil sobrar tempo para dar atenção ao presente. Uma das técnicas utilizadas com pessoas que apresentam sintomas ansiosos é ensiná-las a se conectar com o aqui-agora. Isso pode ser feito de várias formas, preferencialmente conduzidas por um profissional qualificado, mas todas elas têm como princípio fazer uma pausa nos pensamentos preocupantes e direcionados para o futuro “preciso ligar para aquele cliente; preciso responder aquele e-mail; não posso me esquecer de levar aqueles documentos amanhã; hoje precisa dar tempo de fazer tudo que eu preciso fazer” e focar no que você estiver de fato vivenciando no momento: “como estou me sentindo agora? Qual atividade estou realizando neste momento e o quanto estou entregue a ela? Como está minha respiração? Existe alguma parte do meu corpo tensa?”

É super importante ter um planejamento, construir um projeto de vida. No entanto, é necessário haver o equilíbrio disso com o momento presente. Afinal, o perigo de estar o tempo todo voltado para o futuro é acabar não vivenciando inteiramente as experiências do seu tempo presente.


4) A psicoterapia pode te ajudar

Um dos recursos mais eficazes para ajudar as pessoas a lidar com sua ansiedade é a psicoterapia. A Gestalt-terapia, por exemplo, é uma abordagem que tem como objetivo promover o “dar-se conta”, ou seja, auxiliar o(a) cliente a tomar consciência de sua forma de ser-no-mundo.


A psicoterapia vai ajudá-lo(a) a alcançar a integração descrita no item 2 para que, a partir daí, você possa decidir se quer mudar ou não, e como seguir seu caminho. E os psicólogos do Janela Interna podem ajudá-lo(a) nisso! Entre em contato.

Comentários

  1. fiquei ansioso demais para comentar. Perls disse que posso comentar depois. Bricadeirinhas a parte, um bom texto. Valeu!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…