Pular para o conteúdo principal

Vida mais leve: 4 dicas fundamentais para você conquistá-la


Não é segredo para ninguém e nem precisa ser profissional ou cientista para dar-se conta disso: as pessoas andam bastante preocupadas e tensas em suas vidas. E considero isso uma resposta  cobranças e sobrecarga. Por isso muitas pessoas tem se interessado em ter uma vida mais leve, pois a vivem constantemente carregando pesos nas costas.
Pensando nisso, elaboramos para você essas dicas, sobre como conseguir ter uma vida mais leve e mais feliz. Assim como sempre dizemos em todos nossos artigos: não existe uma verdade universal e uma receita a ser seguida para se buscar felicidade, mas existem pontos chave que você deve refletir sobre para conseguir ser uma pessoa melhor.
Veja a seguir algumas dicas que você não verá em outras plataformas e sites sobre ter uma vida mais leve.

1 – Não resista, aceite (a si mesmo)

De forma geral, as pessoas tentam resistir à emoções e atitudes que lhes parecem inapropriadas e erradas. Acreditam que controlar essas reações, é o melhor caminho para serem melhores e amadurecerem.
Entretanto, existem diversas teorias e evidências na psicologia que mostram que não é bem assim. Resistir é fortalecer aquilo que acontece dentro de você! Para mudar e melhorar é indicado que primeiramente você aceite a forma que você é e como se sente.
Existe uma famosa citação do psicólogo estadunidense Carl Rogers (1902-1987), que mostra que isso é coerente com a psicologia:
“O paradoxo é que quando eu me aceito como sou então eu mudo.”
Outra do psicólogo austríaco Carl Jung (1875-1961), é coerente com a ideia de que resistir é prejudicial:
“O que você resiste, persiste.”
É como se eu disse para você: “Não pense na sua mãe!”, você consegue não pensar na sua mãe?
Aceite o que vier de sentimento e emoção para você. A partir daí você conseguirá refletir sobre o cenário que você vive:
  • O que aconteceu quando você sentiu tal coisa?
  • Do que você se lembrou na hora que aconteceu?
  • Como você reagiu naquele momento?
  • O que você aprendeu nessa situação?
  • O que você acha necessário para fazer diferente no futuro?

São perguntas que só serão respondidas quando você deixar de resistir, e por conseguinte, ser mais leve.

2 – Foque no presente – com a ajuda dos sentidos

Isso é extremamente difícil de conseguir, principalmente se você for uma pessoa ansiosa. Mas não é impossível! A principal dificuldade é que se trata de um exercício diário e requer tempo.
O que muitas pessoas não sabem é que para parar de viver tanto no passado quanto no futuro – este é o caso da ansiedade – é preciso aguçar os sentidos! Sim, os cinco sentidos que nós temos. Eles são irremediavelmente relacionados ao presente.
Algumas formas de fazer isso:
  • Respire fundo e sinta sua inspiração e expiração. Esta é uma ótima forma de começar;
  • Dedique alguns segundos para visualizar o mundo a sua volta com seus olhos. Também é ótimo;
  • Pare em alguns momentos do dia e feche seus olhos para escutar e discriminar os sons a sua volta.

Todas essas atitudes trazem o seu foco para o presente, e como sua existência é integrada – mente, corpo, emoções – estará ajudando sua mente a conseguir tornar-se presente!

3 – Diferencie o que é opinião dos outros e qual pensamento pertence a você

A importância que atribuímos à opinião de outras pessoas pode ser um grande prejuízo à vida mais leve. Pois constantemente nos vemos no desejo de agradar a eles e a considerar a opinião deles mais relevante.
Saiba que nunca conseguiremos ser completamente conscientes do que a outra pessoa está pensando. E isso é um peso para a vida, pois nos vemos pressionados a corresponder a referências obscuras externas a nós.
E não precisa ser assim: O que você sabe com clareza é a forma como você mesmo pensa! Por isso, siga esta referência! Assim, você estará privilegiando o seu próprio bem-estar.
Uma forma de conseguir dar-se conta de como damos poder à opinião das outras pessoas sobre nós é começar a discriminar o que é seu e o que é dos outros – e me refiro a formas de pensar, de julgar e de viver.
O que você considera importante para você mesmo, por exemplo? O que o outro considera importante? Será que o que você pensa é menos válido? Pois saiba que não é. Você tem convivido consigo mesmo há anos, quem melhor para decidir o que é bom para você do que você mesmo?

4 – Não seja excessivamente crítico para ter uma vida mais leve

De forma geral, uma pessoa muito crítica sobre a vida dos outros, tem fortes anteparos morais. Não me entenda mal, não há nada de errado em seguir a vida com critérios morais bem consolidados. A humanidade depende de valores morais e éticos para se desenvolver.
Assim como na dica anterior (no item 3) este também é um caso de separar o que é seu e o que é da outra pessoa. Suas referências servem melhor a você mesmo e não aos outros. Eles têm seus próprios parâmetros.
Quando se critica excessivamente – mesmo que construtivamente – você se fecha para aprender com o mundo afora. É uma barreira que você cria que impede a assimilação de coisas novas e diferentes, e fica impossibilitado de aprender com elas, pois está muito ocupado ditando o que é melhor para as outras pessoas, que estagna-se. E essa ocupação constante é um peso para se carregar na vida.
Em vez de crítica, deve prevalecer a aceitação e a autocrítica.
Tente perceber a partir de agora o que você pode levar para sua vida de cada momento que presenciar – não o que deve criticar nos eventos da vida. Pois você é responsável pela sua própria felicidade e não pela dos outros. Já é tão difícil ser feliz por si mesmo, por que se ocupar da felicidade dos outros?

Para finalizar, deixamos claro que sabemos que não é fácil. Se fosse fácil, qualquer lista de dicas banais resolveria a vida de muita gente. O que queremos é inspirar você a ser mais leve por meio de uma boa reflexão sobre orientações essenciais para esta vida melhor e mais feliz que procura. E caso não seja suficiente, considere uma ajuda profissional e eficaz.

Se você tem alguma outra dica, não deixe de comentar para também estar ajudando as pessoas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…