Pular para o conteúdo principal

Você sabe ouvir seu(sua) filho(a)? | Série Para Mães e Pais

Uma das maiores procuras online de mães e pais, atualmente, está relacionada à forma de criar seus filhos. Para isso criamos, aqui no blog Janela Interna, a série Para Mães e Pais, que tem como objetivo orientar e ajudar a esclarecer dúvidas quanto à forma de lidar com crianças nas situações mais variadas.

Fonte: http://www.papodemae.com.br/wp-content/uploads/2016/04/pai-criancas-brincando-1354205890862_615x470.jpg

Hoje vamos conversar sobre saber ouvir. A maioria de nós, adultos, gosta muito de falar, ensinar, compartilhar nossa experiência e dizer à criança o que ela deve ou não fazer. Inicialmente, não há nenhum problema nisso. É inclusive importante que a criança tenha como exemplo os adultos que convivem com ela, uma vez que ela vai acabar se espelhando neles para definir suas ações. No entanto, isso pode passar a ser um problema se eu percebo que falo muito mais do que ouço. Afinal, de uma forma implícita, estarei passando à criança a mensagem de que a minha opinião e a forma como eu penso é muito mais importante do que as dela. Isso pode ter diversas consequências, e vamos tratar das mais frequentes aqui neste texto.


O que mostra que mães e pais não se preocupam em ouvir o(a) filho(a)?

Quando a criança vem compartilhar com você alguma experiência ruim, por exemplo, algo que a deixou triste ou com medo, e você responde algo do tipo: “não se preocupe, isso vai passar”, ou “eu também já passei por isso quando tinha a sua idade e, quando você crescer, vai ver como isso era bobo”, ou “monstros não existem”, o que você pensa sobre estas respostas? Num primeiro momento, podem parecer boas respostas, uma vez que a intenção é acalmar a criança e ajudá-la a se sentir melhor. Entretanto, se você prestar um pouco mais de atenção, vai perceber como essas respostas estão desqualificando e rejeitando completamente os sentimentos da criança. É como se você estivesse dizendo: “isto não é motivo para se sentir mal”.


O que a criança entende e aprende ao não ser ouvida?

Dentro dessas situações, pode-se dizer de 3 possíveis cenários previsíveis, nos quais a criança pode agir como um ou como todos, em momentos e relações diferentes:

1) Ao ver os outros respondendo a ela dessa forma, a criança pode aprender com o exemplo e levar isso para outras relações da vida dela, por exemplo, agir com seus coleguinhas considerando sempre que sua própria opinião é a mais certa. Como consequência, pode se tornar uma criança que não lida bem quando é contrariada e não considera as necessidades do outro, pois, se ela mesma não é ouvida, também não aprendeu a ouvir. Isso pode levá-la a se tornar um adulto excessivamente autocentrado, e com baixa resistência à frustração.

2) A criança pode, ao sentir que seus sentimentos e pensamentos não valem nada, começar a se anular, e sempre colocar a vontade do outro em primeiro lugar. Isso pode lavá-la a se tornar um adulto que sempre se espelha na opinião dos outros sobre ela, não conseguindo formular uma opinião própria, além de poder apresentar baixa autoestima e autoconfiança.

3) Ao não se sentir ouvida e acolhida quando compartilha seus sentimentos, a criança pode desistir de compartilhá-los, tornando-se mais distante e embotada emocionalmente.

Se você quer que seu(sua) filho(a) cresça com maturidade emocional, capacidade de compreender seus próprios sentimentos e de lidar com seus problemas, você precisa falar menos e ouvir mais. Encorajá-lo a se abrir, e se mostrar acolhedor(a) diante disso. Demonstrar um interesse genuíno e ser empático(a) com o que quer que a criança escolha compartilhar com você. Isso significa não julgar, não colocar sua experiência acima da dela e, por consequência, manter aberto o canal de comunicação entre vocês.

Não diga que monstros não existem, pois, para a criança, eles são reais. Não diga que quando ela crescer vai entender, pois a criança não tem a dimensão de como as coisas serão na vida adulta. Para ela, o que existe é a situação desagradável que ela está atualmente vivenciando e, portanto, precisa fazer algo a respeito AGORA. Ofereça-se para bolar uma solução justamente com ela, para que ela exerça sua autonomia e se sinta capaz de resolver seus próprios problemas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…