Pular para o conteúdo principal

10 formas de ensinar responsabilidade às crianças

ensinar responsabilidade às crianças
Fonte: http://www.viveresaber.com.br/vs/images/stories/logo_familia.jpg

Da série Para Mães e Pais que temos no blog, falaremos hoje sobre algumas formas de ensinar responsabilidade para crianças.
A responsabilidade é fundamental para o amadurecimento. A criança que aprende a ser responsável, tem maiores condições de ser feliz, ter sucesso profissional e se sentir realizada no futuro.
Mas antes de partirmos para as dicas, é preciso fazer uma importante consideração.
Não existe regra universal para educar e criar crianças. Ou seja, não existe e nunca existirá um manual de educação com receitas prontas para educar crianças.
O que existe, e a psicologia estuda, são fatores essenciais para o desenvolvimento infantil – que continua na adolescência, maturidade e velhice.
Isso quer dizer que existem diversos horizontes de possibilidades de educação válidos para o crescimento saudável e seguro. Dependendo da criança, uma possibilidade pode ser melhor que a outra.
Portanto, as dicas nesse texto não devem ser entendidas como regras rígidas. Devem ser entendidas como eixos de orientação e reflexão para mães e pais educarem seus filhos da melhor forma possível!
Continue a leitura para descobrir como ensinar responsabilidade às crianças.

1 – Respeitar o tempo da criança

Todo mundo tem o seu próprio tempo. Com as crianças não é diferente.
Quando respeitamos o tempo da criança sentir, pensar e executar, damos a oportunidade dela experimentar as coisas da vida de seu próprio modo.
Se você perder a paciência com a lentidão de uma criança, por exemplo, e não permitir que ela termine a tarefa por si mesma, a privará daquele ótimo sentimento de realização, que é essencial para desenvolver responsabilidade.
E também não estará dando a oportunidade para ela aprender com o que está fazendo. E também não a estará ajudando a saber como pode fazer de forma mais rápida e prática da próxima vez. 
Veja bem que isso não significa que você não pode ajudar e dar suporte a criança. Você pode e deve dar apoio à criança nas novas descobertas. Mas também deve permitir que execute tarefas no tempo dela.

2 – Conversar sobre intimidade e privacidade com a criança

Todos nós temos direito à intimidade e privacidade. E temos o dever de respeitar a intimidade e privacidade dos outros. Ter momentos privativos é necessário para o desenvolvimento psicológico saudável.
Eventualmente a criança vai se deparar com os limites da intimidade. Portanto, é melhor que ela seja orientada e educada sobre isso, do que explorar este delicado desconhecido sozinha.
É importante que ela aprenda a ser cuidadosa e responsável com sua intimidade – seja com a intimidade corporal ou intimidade social.
Ser responsável com a intimidade, também significa respeitar a intimidade dos outros. No momento em que a criança aprende a cuidar da sua, entende melhor sobre como respeitar a dos outros.

3 – Permitir que a criança se arrisque

Arriscar é aprender com a própria experiência.
Claro que não estamos falando de situações que coloquem em risco a integridade física ou mental da criança. Estamos nos referimos a pequenas situações.
No futuro, por exemplo, se estiver numa padaria com o(a) filho(a), dê o dinheiro a ele(a) e diga para fazer o pagamento quando chegarem ao caixa. Para ele(a) será uma situação nova, mas muito rica para o seu desenvolvimento!
Outro exemplo: está atravessando a rua com a criança? Delegue para ela a tarefa de falar quando podem atravessar em segurança. Se ela errar, apenas aponte o veículo próximo e diga suavemente: “Podemos ir mesmo, filho(a)? Olhe o carro ali.”
Dessa forma você estará permitindo que a criança desenvolva responsabilidade, ao deixá-la interagir com o mundo. Faça disso um exercício diário com a criança, e seja criativo!
Você observará como ela começará a ser mais cuidadosa e responsável em diversas situações. Inclusive nas que você não deu orientações prévias.

4 – Evitar resolver os conflitos da criança para ela

O conflito faz parte da vida. Inevitavelmente nos depararemos com situações conflituosas ao vivermos.
Por isso, é importante deixar a criança ser protagonista da resolução de seus conflitos ou confrontos.
Uma oportunidade de fazer isso é quando a criança briga com algum amiguinho: quando ela chegar contando, escute-a e ajude-a a entender como se sente em relação ao conflito.
Depois, a ajude a decidir o que quer fazer, e não faça por ela. Permita que ela resolva.
Dessa forma, você estará permitindo que ela aprenda a entender e resolver os próprios conflitos. E ser responsável pelas situações ou problemas que ela participou do surgimento.

5 – Estabelecer uma rotina

A rotina é imprescindível para a criança conseguir organizar-se.
A organização que a rotina proporciona é tanto mental quanto social. Alguns pais e mães que chegam com seus filhos para terapia em meu consultório, têm queixas de que os filhos estão muito agitados, tem problemas para dormir ou acordar, ou que não vão bem na escola.
O primeiro passo é estabelecer uma rotina para a criança. Assim ela começa a internalizar regras e conveniências – do tipo “tem hora e lugar para tudo”.
Para a criança, assimilar isso é fundamental para desenvolver comportamento responsável.

6 – Reconhecer as tentativas da criança

A palavra responsabilidade é a união de outras duas: Habilidade + Resposta. Ter responsabilidade é ter Habilidade de Resposta (do inglês: response + ability).
Isso quer dizer que para desenvolver responsabilidade a criança deve ser capaz de “responder”. Nos referimos ao responder em sentido amplo, não só responder com palavras oralmente. Ela deve saber, por exemplo, lidar com as frustrações de não conseguir algo - ou seja, responder com habilidade às frustrações.
Por isso, é importante reconhecer as tentativas da criança, seja ao fazer o dever de casa ou arrumar seus brinquedos. Mesmo que ela não as realize de forma satisfatória, ela tentou! E isso que importa nesse caso.
Se você reconhecer que ela tentou, e não focar no erro dela, estará mostrando a importância de tentar. E, assim, está dando a oportunidade para ela desenvolver habilidade de resposta. Ao se restringir aos erros dela, ela irá ficar desmoralizada, e provavelmente estará desanimada a tentar fazer certo novamente no futuro.

7 – Não usar rótulos e ensinar o valor do esforço

É comum que as pessoas elogiem as crianças como inteligente, esperta, lindo(a), etc. Mas há um problema nesses tipos de elogios: se usados com frequência para caracterizar as crianças, eles tornam-se rótulos.
É ótimo que tenhamos essa afeição com as crianças, elogiar é mostrar a afeição. Elas gostam desse carinho, e apreciam quando fazem algo certo e são reconhecidas. Mas há algo prejudicial para o desenvolvimento delas nisso.
Quando rotulamos, a criança entende aquilo como inabalavelmente dela. Portanto, se você a elogia como inteligente por tirar uma boa nota na prova e pára por aí, ela não entende a importância do esforço que foi necessário para conseguir a nota boa.
Acaba acreditando que é inteligente e se dará bem no futuro só por isso. Se é inteligente, assume a crença de isso já ser o suficiente para obter notas boas.
Não estou dizendo que não existe o fator inteligência, pois evidentemente existe! No entanto, para a educação das crianças, é importante ressaltar o que tem por trás de seus merecimentos.
No caso da nota boa, você pode parabenizar a criança e elogiar o esforço dela para conseguir isso: “Muito bem, você fez todos os deveres de casa e aprendeu tudo!” ou “Prestou atenção na professora e agora sabe muita coisa!”.
Devemos sempre focar na jornada das crianças! Assim elas assimilam os comportamentos envolvidos em suas vitórias, e aprendem a ter responsabilidade para situações futuras.

8 – Permitir que a criança faça suas próprias escolhas

Responsabilidade está intrinsecamente relacionada às escolhas que fazemos. Isto é, ser responsável significa fazer escolhas conscientes e éticas.
Para ensinar a criança a ser responsável por suas escolhas, ele deve conhecer as consequências dessas escolhas. A melhor forma de ter consciência do que as consequências representam, é viver estas consequências.
Mesmo nas situações mais sutis, é muito proveitoso para o aprendizado da criança que ela viva as consequências de suas escolhas.
Por exemplo, para crianças menores, permita que ela escolha a própria roupa para sair de casa. Comece dando a ela duas opções para escolher. Dessa forma estará permitindo que ela pratique autonomia, simplesmente dando a oportunidade de escolher.
Assim, ela terá que passar umas horas com aquela roupa que ela mesma escolheu. Estará continuamente vivendo as consequências de suas escolhas.
Outra opção é permitir que a criança escolha o programa do final de semana para fazer junto com os pais. Ela viverá as consequências de sua escolha e também estará reforçando os laços com seus pais.

9 – Escutar e acolher as dificuldades

Adultos têm frequente tendência a não dar a devida consideração às dificuldades e sofrimentos das crianças.
Temos que ter em mente que muito do que as crianças vivem são experiências totalmente novas! Portanto, se um coleguinha brigou com ela, por exemplo, não é proveitoso e educativo dizer: “não fique assim, você vai fazer novos amigos”, ou “daqui a pouco vocês vão fazer as pazes, não liga para isso”.
É preciso acolher e escutar as experiências que a criança tem para expressar. Se ela quer contar o que aconteceu com ela, é porque confia em você para ajudá-la a se sentir melhor. Não desconsidere esta confiança, ela é essencial para a relação mãe/pai e filho(a) futura - incluindo a adolescência.
Mas o que isso tem a ver com responsabilidade? Ao ser escutada por outra pessoa, a criança também se escuta. Assim ela vai percebendo qual foi a responsabilidade dela na experiência ruim que teve.
Dessa forma, ela vai aprendendo como vai agir e fazer em experiências posteriores. Ela aprende o que a fará se sentir melhor no futuro. E isso é ser responsável com si mesma, que tem um valor inestimável para a saúde mental.

10 – Dar o exemplo

Por último, uma dica que é conhecida por muitos, porém praticada por poucos que vale a pena ser lembrada.
O aprendizado é em grande parte por observação. O proeminente psicólogo canadense, Albert Bandura, realiza extensas pesquisas científicas acerca do tema desde a década de 60.
O que a criança observa é fundamental para o seu desenvolvimento social. Isto é, para as formas que ela vai se comportar na sociedade.
Pelo fato dos pais serem as figuras principais de afeto da criança, serão as principais referências que ela terá para aprender por observação.
Por isso, dar o exemplo de responsabilidade é ensinar a criança a ser também responsável.

Considerações Finais

Ninguém nasce responsável. A responsabilidade é aprendida!
Tenha em mente que educar é um contínuo. Isto quer dizer que não serão acontecimentos isolados que irão ensinar responsabilidade às crianças. Na verdade, é todo o conjunto de acontecimentos que irá a ensinar essa responsabilidade.
Todo acontecimento pode ser uma oportunidade para isso, por mais simples que seja. Portanto, permaneça sensível aos acontecimentos, para perceber as melhores oportunidades de educar uma criança para a responsabilidade.
Tem alguma dúvida ou comentário? Escreva para a gente na caixa de comentários abaixo ou entre em contato.
Clique aqui para atendimento personalizado


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…