Pular para o conteúdo principal

O (des) controle emocional que tentamos ter diariamente

Lobisomem controle emocional
O Lobisomem é um símbolo da cultura humana que representa a ineficiência de tentarmos esconder algo. Sempre haverá um gatilho que pode despertar o nosso descontrole. No caso do Lobisomem, a Lua Cheia é este gatilho.
Créditos de Imagem: http://vignette4.wikia.nocookie.net/greyhawk-chronicles/images/4/4b/Werewolf.jpg/revision/latest?cb=20160512025741.

O termo controle emocional é recorrente em nossa sociedade, e se refere a uma habilidade bastante valorizada, principalmente no trabalho e na carreira. Controle emocional é ter razão, não gerar conflitos desnecessários, etc.
Agora te pergunto: Você considera que consegue se controlar?
Seja qual for a sua resposta, vou pedir para você desconsiderá-la por um momento. E tente responder a este questionamento novamente no final deste texto.

Abandone o que você entende por controle emocional

Provavelmente, muito do que você entende por controle emocional está equivocado, no sentido que a palavra controle pode gerar ambiguidade. E, na verdade, é mais provável que as pessoas entendam o termo controle emocional, como a capacidade de dominar as emoções.
O que faz sentido se considerarmos o caráter instintivo e primitivo que as emoções tem na nossa sociedade. E em contrapartida a racionalidade é fortemente valorizada.
Saiba do seguinte: não é possível dominar as emoções, o que, portanto, coloca esta habilidade de se controlar emocionalmente em cheque.
Vou explicar porque não é possível controlar as emoções

Toda razão é influenciada por emoção

Nosso cérebro funciona como um decodificador das informações do ambiente. As informações chegam pelos nossos sentidos, e o cérebro as “compila” para conseguirmos fazer alguma coisa com elas.
Todas as informações passam primeiramente pela porção “emocional” do cérebro, o Sistema Límbico. E é em seguida que as porções racionais decodificam essas informações já carregadas de emoção. Aí pode estar o erro quando as pessoas se referem a dominar as emoções.
Entretanto, esse "domínio" pode ser bem-sucedido a princípio. Mas chega um momento que os impulsos são extremamente carregados e intensos! E não dá mais para segurar.

Consegue lembrar de alguma vez que algo foi acontecendo isso com você, até um ponto que você teve uma espécie de “explosão”? Se não aconteceu com você, certamente consegue recordar disso acontecer com outra pessoa.
Isso acontece com todo mundo, pois dominar as emoções não é o mais recomendado a se fazer.
Este vídeo é um exemplo da "explosão" emocional, que desmente o mito do domínio sobre as emoções.

Ampliar sua consciência e entender a você mesma(o) é o caminho

O caminho recomendado é ampliar o seu conhecimento sobre o que acontece nas situações que exigem “controle emocional”. E pensar se isso se relaciona a outra situação ou experiência da sua vida. Começando por este caminho ampliará sua consciência, e te empoderará para emitir os melhores comportamentos sociais no futuro. Um dos objetivos da psicoterapia é isso.
Deixo a seguir um vídeo que fizemos. As dicas dele dialogam com o tema deste artigo. Trata-se de orientações para as pessoas que prestarão a prova do ENEM, que também se cobram a controlar as emoções – ansiedade, estresse, nervosismo. Veja as dicas e comentários que contradizem o mito de ser possível dominar as emoções no vídeo.

E para finalizar, vou repetir a pergunta do início do texto: Você consegue se controlar? Se sim, espero que tenha entendido que isso não é uma coisa positiva. E se não consegue, talvez não esteja justamente pelo caminho não ser tentar se controlar, mas entender profundamente suas emoções e como elas te afetam.

O que achou das colocações deste texto? Será ótimo poder saber sua opinião. Deixe nos comentário e compartilhe com seus amigos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…