Pular para o conteúdo principal

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

A série de TV Community, retrata de forma cômica e caricata como todos temos peculiaridades e "traços de loucura".

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende!
É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais?
Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”.
Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos.
Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também!
O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também!
Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso que estão em psicoterapia, para mudar a vida deles.
Qualquer pessoa pode sofrer, a diferença é que algumas fazem alguma coisa a respeito. As pessoas que pensam que psicólogo é só para doido, tendem a não procurar ajuda e a sofrer mais.
Então, uma outra possível resposta é: Psicólogo é para todos que têm algum sofrimento, incômodo, ou querem mudar a própria vida. Parece que é indicado para quase todo mundo então, não é? Afinal, todos nos identificamos com isso, mas escolhemos tomar ou não uma atitude para mudar.
Existe uma outra possível resposta, da qual podemos começar a falar sobre a partir de um ditado popular -  que é o que eu mais gosto, pois realmente é representativo:
“De médico e de doido, todo mundo tem um pouco.”
De médico, pois todos, em algum momento da vida, manifestam interesse por cuidar. Seja cuidar de si mesmo, ou de outras pessoas. E de doido porque... ora, pense na sua própria vida! Todos nós temos coisas que não queremos revelar para ninguém, pois não queremos que os outros saibam de certas coisas que parecem loucura.
A questão é que aprendemos a seguir um padrão desde pequenos, e qualquer desvio deste padrão pode ser condenado ou julgado pelos outros, pois o desejável está neste parâmetro. Então, não expressamos várias coisas com medo de parecer doidos. Mal sabemos que todos nós temos singularidades que podem causar estranhamento nos outros, mas os outros também têm.
Ninguém tem o direito de julgar você, pois sua experiência é individual. Assim como você não têm o direito de julgar os outros pelas suas peculiaridades, pois é própria deles - da história de vida de cada um.
A palavra “normal” para caracterizar as pessoas é muito desonesta a meu ver, pois coloca um ideal que ninguém consegue plenamente seguir, e causa sofrimento quando não conseguimos. E a tendência é diminuirmos nossas qualidades singulares que fazem da gente a beleza que somos enquanto pessoas únicas.
Então outra resposta para a pergunta é: Psicólogo é para doido, inclusive você e eu!

Então temos três respostas definitivas para a pergunta “Psicólogo é para doido?”

1) Psicólogo é para doido também! Pois pode ajudar quem é doido e quem não é.
2) Psicólogo é para qualquer um que sofre, se incomoda com algo, ou quer mudar a própria vida. Incluindo doidos e não-doidos.
3) Psicólogo é para doido, incluindo eu e você!
Todas as respostas têm algo em comum: o fato de que psicólogo pode ser para todo mundo!

Quando procurar um psicólogo?

1) Quando você está sofrendo ou incomodado com algo

Seja nos relacionamentos ou na carreira, o trabalho do psicólogo será esclarecedor e vai te ajudar a lidar com o sofrimento.

2) Insatisfeito com a vida

Seja quando você não vê sentido no que faz, ou quando percebe que não gosta da forma que sua vida tomou.

3) Autoconhecimento

O trabalho de um psicólogo envolve promover o autoconhecimento. Ao conhecer a você mesmo de forma clara, você amplia sua consciência e consegue ficar melhor com você mesmo, suas decisões e as adversidades da vida.

4)Estresse, nervosismo e impaciência

São coisas que trazem muitos prejuízos à qualidade dos nossos relacionamentos em geral, além de fazerem muito mal para a saúde estando associados ao desenvolvimento de doenças crônicas e psicossomáticas.

5) Ansiedade

Nem toda ansiedade é ruim, mas em certos níveis traz muito sofrimento e prejuízos para a vida. Está também relacionada ao desenvolvimento de doenças crônicas e psicossomáticas.

6) Pensamentos negativos

Pensamentos de cunho negativo, que trazem sofrimento e perturbação. O atendimento psicológico ressignifica os pensamentos, trazendo novas perspectivas de ação para você lidar com as coisas associadas à estes pensamentos.

7) Problemas sexuais

Quando você não está satisfeito com o seu desempenho sexual. Evidentemente, alguns problemas sexuais são de origem orgânico, mas muitos não o são. Nestes casos, o trabalho da psicologia irá ajudar superar as barreiras.
E você? Acredita ainda que psicólogo é para doido exclusivamente? Siga o Janela Interna no Facebook para saber mais sobre psicologia!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…