Pular para o conteúdo principal

O que é a Gestalt-terapia?

Muitos dos textos escritos aqui no blog utilizam terminologias que podem, inicialmente, parecer estranhas ao senso comum, mas que têm uma razão para serem utilizadas e que vieram de uma abordagem psicológica chamada Gestalt-terapia. Ainda que a intenção do blog seja elucidar temas da psicologia de forma geral, sem estarem necessariamente ligados a uma abordagem específica, como os autores do blog são adeptos desta abordagem, algumas vezes é impossível não utilizar essas terminologias, uma vez que a nossa visão de mundo já perpassa pelos postulados da Gestalt-terapia. Além disso, a Gestalt-terapia não é apenas uma abordagem psicológica, mas também uma filosofia de vida, uma vez que defende formas autênticas de se estar em relação, sem joguinhos e manipulações. Por este motivo, achei importante escrever hoje sobre o que é a Gestalt-terapia e suas principais diferenças em relação às abordagens mais difundidas.

Inicialmente, faz-se necessário explicar o termo.  A palavra Gestalt vem do alemão, e significa forma, configuração. O termo é proveniente da Psicologia da Gestalt, uma das teorias que serviram de base para a criação da Gestalt-terapia.

A Gestalt-terapia surge oficialmente em 1951. Porém, devido a suas ideias revolucionárias, é somente na década de 1960 que encontra um terreno fértil para sua ampla difusão, devido ao contexto histórico dos movimentos de contracultura. Tendo surgido neste momento, a Gestalt-terapia coloca em questão o modelo social vigente, cujos principais postulados, desde Descartes, que implantou o dualismo mente X alma, se baseiam no uso excessivo da racionalidade, do pensamento e do empirismo científico. Deste modo, a Gestalt-terapia coloca em questão a supervalorização dada ao uso da razão em detrimento da emoção, e implementa uma visão holística, segundo a qual o ser humano é composto por três níveis, de igual importância: racional, emocional e fisiológico. Esses três níveis devem estar presentes em consonância e de forma complementar, e não do modo paradoxal e dicotômico como a sociedade contemporânea estabeleceu. Um exemplo de como é possível utilizar sentimento e pensamento de forma harmônica seria no momento de tomar uma decisão. Para decidir, por exemplo, se deixo meu emprego por um outro em que a carga horária é maior, mas em compensação me pagará mais, posso me valer de experiências passadas em que trabalhei por longas jornadas diárias, e recordar como me senti naquela época. Ao recordar que uma jornada de trabalho muito longa me deixava exausta, sem tempo de cuidar de mim e de me dedicar a outras atividades que também são importantes, posso trazer à tona sentimentos de infelicidade e sobrecarga que experimentei naquela época, e usar estas constatações em parceria com os aspectos racionais (vou ganhar mais, e posso usar esse dinheiro para investir futuramente) para me ajudar a tomar minha decisão. Quando aprendemos a lidar com nossas polaridades de forma harmônica, experimentamos a nós mesmos de uma forma completamente nova e mais leve.

Outro aspecto da metodologia da Gestalt-terapia tem a ver com a importância do aqui-e-agora e da presentificação da experiência. Isto quer dizer que o Gestalt-terapeuta vai abordar a sessão com o cliente valorizando a relação terapêutica e os sentimentos, pensamentos e sensações experimentados no momento da sessão. É possível ler de forma mais detalhada sobre este tema no nosso post anterior.

O objetivo da Gestalt-terapia é a awareness, termo em inglês que significa, em tradução adaptada, “conscientizar-se”, “dar-se conta”. Apenas depois que me conscientizo dos meus padrões de comportamento, pensamentos enrijecidos e principais bloqueios nas minhas relações interpessoais é que posso decidir o que fazer com esses aspectos de mim mesma. Além disso, somente a conscientização plena é capaz de fornecer as ferramentas necessárias para uma mobilização de energia rumo à transformação.

Finalmente, na Gestalt-terapia, o cliente é a melhor pessoa para dizer dele mesmo. É ele quem vive, sente e passa 24h por dia com ele mesmo. A minha função como psicoterapeuta é acompanhá-lo e ajudá-lo nessa auto-conscientização, podendo expressar minha opinião, mas deixando bem claro que é o que eu penso, e que não caracteriza uma verdade absoluta sobre o cliente. Só ele é capaz de avaliar aquilo que faz sentido, e o que não faz.

Comentários

  1. Muito obrigada ! ajudou me muito a perceber conceitos que irei explorar num trabalho

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…