Pular para o conteúdo principal

Os contos de fada na Psicologia


Os contos de fada, histórias transmitidas pela tradição oral, passadas de geração em geração e alteradas ao longo do tempo, contêm diversas representações e simbologismos dos processos psíquicos, e por isso nos fornecem as melhores pistas para compreender os processos que ocorrem na psique coletiva.

Ao contrário do que se pensava, hoje já sabemos que os contos de fada são mais antigos do que os mitos, possuindo origem pré-histórica (para ler mais sobre isso, clique aqui). Marie Louise Von-Franz, discípula de C. G. Jung, fundador da Psicologia Analítica, estudou profundamente este artifício, que hoje também é utilizado como poderoso recurso terapêutico.

Contos de fada contam histórias de pessoas, ou, quando não, de personagens que representam pessoas (animais ou objetos personificados), e por isso acabam retratando relações e situações que fazem parte das nossas vidas.

Por sua importância na formação da personalidade, os contos vêm sendo utilizados na educação de crianças desde a Antiguidade. Porém, não é apenas às crianças que os contos de fada podem auxiliar. Muitas intervenções terapêuticas utilizando contos têm sido feitas também com adultos, em sessões individuais ou em grupo. Os contos, assim como a literatura de forma geral, nos auxiliam a entrar em contato com a vivência daqueles determinados personagens, e os sentimentos e comportamentos experimentados por eles, com os quais eu posso, ou não, me identificar. A partir daí, se eu me der a chance, posso trazer esses elementos à minha consciência reflexiva, o que consequentemente gera elaboração e ressignificação de conteúdos nem sempre trabalhados.

É importante salientar que essa catarse, passível de ser gerada por um conto de fadas – bem como por quaisquer outros tipos de literatura –, não é uma vivência exclusiva ao setting terapêutico. Qualquer contato com um conto pode ativar a consciência reflexiva, e ser terreno fértil para germinar awareness, se você se permitir enxergar o potencial de transformação que ele pode trazer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…