Pular para o conteúdo principal

Pare de negligenciar sua saúde mental | Janeiro Branco

janeiro branco negligenciar saúde mental

Você já ouviu falar em Janeiro Branco? Não? Tudo bem! A grande maioria das pessoas provavelmente nunca ouviu falar, principalmente por dois motivos: o primeiro é que é uma campanha relativamente nova, e o segundo é o assunto a ser tratado neste texto. Janeiro Branco é uma campanha que se iniciou em 2014, promovida principalmente por psicólogas e psicólogos. Tem como objetivo conscientizar as pessoas sobre a importância do cuidado com a saúde mental.

A campanha ocorre numa época em que naturalmente as pessoas se voltam para uma reflexão a respeito de como foi o ano anterior, e o que querem do ano que se inicia. Assim, é possível avaliar o que funcionou e o que não funcionou no ano que terminou, e a partir disso projetar as conquistas a serem buscadas daqui em diante.

No entanto, o Janeiro Branco tem uma proposta ativa, e não passiva, estimulando que cada um faça por onde para alcançar seus objetivos. Para tal, obviamente, é preciso que cada pessoa se comprometa com sua própria jornada, trabalhando constantemente na construção de uma vida mais plena para si.

E aqui, chegamos ao ponto principal deste texto. Por que é tão difícil nos comprometermos com nossa saúde mental? Como já dito em textos anteriores aqui neste blog, atualmente vivemos numa cultura ocidental moderna que tende a desvalorizar tudo aquilo que tem a ver com sentimentos, ou seja, nosso lado emocional, em prol do racional. Crescemos ouvindo que demonstrar sentimentos é uma fraqueza, e que, ao tomarmos uma decisão importante, devemos sempre tentar ser o mais racional possível.
Todo esse discurso nos leva a introjetar que nossos sentimentos e emoções que estão diretamente relacionados a nossa saúde mental - são menos importantes do que os outros âmbitos do nosso ser. E, por consequência, vamos caindo numa espiral de negligência com as coisas que afetam nossa saúde mental, tendendo a ignorar aspectos como fatores de stress no trabalho, relacionamentos tóxicos, dificuldade em compreender e expressar nossos sentimentos, dentre vários outros. O acúmulo das consequências geradas por esses elementos vai, aos poucos, se tornando insustentável, e a maioria das pessoas acaba por se dar conta disso apenas quando já chegaram no limite.

Cuidar da saúde mental dá trabalho porque precisa ser um exercício constante. O tempo todo devemos nos voltar para dentro e tomar consciência de como estamos nos sentindo, e analisar as possibilidades do que podemos fazer com esses sentimentos. Aos poucos, vai se tornando cada vez mais natural ouvir e dar voz às nossas emoções, na busca por uma vida mais feliz e plena.

Assim sendo, o objetivo da campanha Janeiro Branco é conscientizar as pessoas de que não precisamos esperar chegar no limite para dar a devida atenção a nossa saúde mental. É possível começar agora, e tornar-se protagonista da sua própria existência!

Entretanto, sabemos que nem sempre é fácil iniciar esse processo por conta própria. Mas para isso, saiba que você não está sozinho(a): um(a) psicoterapeuta estará sempre disposto(a) a te ajudar!

Gostou do texto? Deixe um comentário contando o que você faz para cuidar da sua saúde mental! Quer saber melhor como a psicoterapia funciona? Entre em contato pelo nosso formulário ao lado, teremos prazer em respondê-lo(a)!

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
Janeiro Branco: janeirobranco.com.br



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Psicólogo é para doido? Resposta definitiva

Afinal, psicólogo é para doido? A resposta simples é: depende! É uma pergunta que tem resposta sim, mas precisamos entender a pergunta para respondê-la. Primeiro, o que você está chamando de doido? Se existem doidos, existem pessoas normais? Supostamente sim, certo? Se tem gente doida, também tem gente não-doida, que é o que no senso comum dizemos que são pessoas “normais”. Se você chama de doido aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais no quesito saúde mental, então você está se referindo às pessoas com transtornos mentais e com sintomas psicóticos. Psicólogos também tratam e ajudam essas pessoas. Então, olhando por este lado, psicólogo é para doido sim. Mas a resposta mais adequada é: psicólogo é para doido também! O também é explicado pelo fato de psicólogos terem condições de ajudar (e muito) pessoas que não sofrem de transtornos mentais também! Por exemplo, a maioria dos meus clientes não tem nenhum transtorno mental, mas vivem situações que trazem sofrimento. E é por isso qu…

Auto-suporte

O assunto de hoje é auto-suporte (ou auto-apoio). Escolhi este tema devido a uma reflexão pessoal à qual a prática clínica tem constantemente me levado nos últimos anos. Não sei se é um sintoma da nossa sociedade contemporânea, mas tenho visto com muita frequência uma dificuldade geral das pessoas em suportar-se a si mesma (o pleonasmo é intencional), e tendendo a buscar apoio externamente; no meio, ou no outro. E neste contexto, a palavra suporte refere-se desde o aspecto emocional – buscar desfazer-se da dependência emocional do outro – até aspectos objetivos – mobilizar a energia necessária para correr atrás de seus objetivos de vida por conta própria.
Tenho visto, a cada dia, as pessoas buscando apoio no outro de forma exagerada, de modo a delegar ao outro a responsabilidade de fornecer as ferramentas necessárias para seu crescimento. Isso acontece, principalmente, devido ao modo como lidamos com nossas frustrações. Um exemplo comum, utilizado por Perls (1977), refere-se a um discu…

Polaridade

Todos nós já experimentamos, em algum momento, um dilema interno. Alguns dos mais comuns são: razão X emoção, querer X dever, eu X o outro, quem eu sou X quem eu queria ser. Além disso, existem também aqueles conflitos gerados por características internas opostas que possuímos, mas que não acreditamos poderem coexistir, em função de suas naturezas contraditórias. Por exemplo, posso possuir a característica do altruísmo, mas também a sua polaridade, o egoísmo. Nessas situações, é como se sentíssemos que nossas forças internas estão agindo em sentidos opostos.
Normalmente, tendemos a pensar que temos que escolher entre um e outro. O clássico conflito razão X emoção é um excelente exemplo que pode surgir em momentos de decisão, e que geralmente acaba nos levando a uma interminável disputa interna. O mesmo acontece com a nossa realidade interior, uma vez que possuímos tanto características aceitáveis quanto inaceitáveis, de acordo com a norma socialmente difundida e, nesses casos, acabamos…